Debate

Qual é o problema de Elon Musk falar que as pirâmides do Egito foram construídas por ETs?

por: Veronica Raner

Verbalizar pensamentos ignorantes que vêm à cabeça está na moda. Elon Musk é habitué da prática e já se envolveu em uma série de polêmicas racistas, homofóbicas e machistas. A mais recente foi dizer que as pirâmides do Egito foram construídas por extraterrestres. “Obviamente”, ele escreveu em seu Twitter. O que leva um bilionário americano dono de gigantes aeroespaciais, automotivas e de energia dos Estados Unidos a falar isso? 

Pirâmide mais antiga do Egito abre pela primeira vez em 90 anos para visitação

Uma das pirâmides de Gizé, no Egito.

Dizer que as pirâmides do Egito foram construídas por extraterrestres parece ser mais fácil do que admitir que o povo egípcio colocou de pé obras primas da arquitetura. Milhares de anos foram necessários para que, antes de Cristo, monumentos como a Pirâmide de Quéops, conhecida como Grande Pirâmide de Gizé, fossem erguidas. A edificação foi por 3,8 mil anos a maior construção do mundo até o término das obras da Catedral de Lincoln, na Inglaterra, na primeira década de 1300. Teriam ETs ensinado os arquitetos europeus a erguerem o símbolo cristão também?

Parece difícil para o mundo ocidental assimilar conhecimentos técnicos e científicos por parte de países africanos e asiáticos. 

6 ruínas misteriosas construídas por antigas civilizações que você precisa conhecer

Rania al Mashat, ministra da cooperação internacional do Egito, não deixou o empresário sem resposta. Com muita educação, foi ao Twitter responder a afirmação de Musk. “Eu acompanho o seu trabalho com muita admiração. Convido você e a Space X a explorarem os documentos sobre como as pirâmides foram construídas e também procurar sobre as tumbas dos construtores delas”, escreveu. Ela ainda completou com um convite: “Sr. Musk, nós estamos esperando por você”, completou

A construção das pirâmides do Egito — que, segundo estudos, somam de 118 a 138 — é alvo de muitas hipóteses. Por muito tempo, se acreditou que elas tivessem sido erguidas por mão de obra escrava, o que é rechaçado pelas autoridades do país. A teoria ainda existe, mas arqueólogos e cientistas especialistas na cultura egípcia identificaram elementos que reforçam a ideia de que trabalhadores assalariados foram responsáveis por levantar os monumentos.

Em 2010, trabalhos de escavação liderados por Zahi Hawass identificaram tumbas localizadas perto às principais pirâmides do Egito. 

O bilionário americano Elon Musk, CEO da Tesla e da Space X, em foto de 2015.

Cientistas holandeses descobrem como os egípcios moveram as pedras das pirâmides

“Essas tumbas foram construídas ao lado da pirâmide do faraó, o que indica que essas pessoas não eram, de forma alguma, escravos. Se fossem escravos, eles não poderiam ter construído suas tumbas ao lado da do faraó”, afirmou o arqueólogo à época. 

Com a polêmica envolvendo Musk, Zahi publicou um vídeo em suas redes sociais refutando as afirmações do americano, as quais chamou de “uma completa alucinação”. “Parece que o dinheiro desse bilionário não o fez famoso para ele ter que dizer que as pirâmides foram construídas por pessoas que vieram do espaço e que até Ramsés II também veio de lá”, afirmou. 

5 outras civilizações africanas que são tão impressionantes quanto a do Egito

Eu não deveria responder a ele porque ele não merece, mas eu vi essa notícia por todos os lugares. Eu confirmo que essa hipótese não tem qualquer base científica e posso dizer para esse bilionário que evidências arqueológicas, históricas e linguísticas provam que as pirâmides foram construídas por egípcios.

Ele ainda acrescentou que as suas descobertas, em 2010, provam que a construção das pirâmides foi fruto de um esforço nacional que levou mais de 30 anos para ser concretizado. “Eu espero que esse bilionário se eduque e leia o que foi escrito acerca de faraós e das pirâmides”, completou. 

 

Publicidade

Foto 1: Unsplash / Foto 2 e 3: Getty Images


Veronica Raner
Jornalista em formação desde os sete anos (quando criou um "programa de entrevistas" gravado pelo irmão em casa). Graduada pela UFRJ, em 2013, passou quatro anos em O Globo antes de sair para realizar o sonho de trabalhar com música no Reverb. Em constante desconstrução, se interessa especialmente por cultura, política e comportamento. Ama karaokês, filmes ruins, séries bagaceiras, videogame e jogos de tabuleiro. No Hypeness desde 2020.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Coronavírus: ES quer retomar aulas com protocolo de despedida em caso de morte de alunos ou professores