Debate

Sephora apaga negras em chegada da Fenty Beauty no Brasil e mostra que opressão é regra no capitalismo

por: Redação Hypeness

Na última terça-feira (18), os produtos da Fenty Beauty chegaram ao Brasil, mas desapontaram o público-alvo que mais aguardava pela amplitude e diversidade dos tons de bases e corretivos da marca: pessoas de pele negra. Fundada por Rihanna em 2017, a empresa de cosméticos nasceu com a promessa de quebrar barreiras de racismo na indústria da maquiagem, mas a divulgação brasileira feita pela Sephora — responsável pela distribuição nacional dos produtos — foi feita em peso por influenciadoras brancas.

Diferencial da marca da cantora barbadense, as mais de 45 tonalidades de bases e de corretivos da Fenty foram ansiosamente esperadas por ativistas e blogueiras negras, que lutam há anos para que a indústria da beleza produza maquiagens de qualidade para peles mais retintas.

Contudo, mesmo depois de quase três anos de espera, a divulgação da chegada da marca ao Brasil privilegiou personalidades brancas em detrimento de influenciadoras pretas que também falam sobre beleza e especificamente sobre maquiagem em seus respectivos canais de trabalho.

– Após caso de racismo, Sephora fecha lojas para treinamento de funcionários

Apesar de contar com celebridades como as cantoras Ludmilla e Preta Gil, a vencedora do “BBB 20Telma Assis e a jornalista Maíra Azevedo (a Tia Má) como divulgadoras da Fenty Beauty, as críticas à Sephora foram sobre o racismo explícito da empresa ao negligenciar produtoras de conteúdo pretas, especializadas no assunto, para também contribuírem com opiniões e resenhas sobre os produtos recém-chegados ao mercado nacional.

Falha grave na estratégia de marketing do lançamento, a não-inclusão massiva de pessoas negras na linha de frente de divulgação dos produtos — que foram criados com o propósito de amplificar a diversidade dentro do universo da maquiagem — enfraquece, também, a filosofia e a missão da marca de Rihanna.

– Rihanna critica marcas que ‘exploram pessoas trans como ferramenta de marketing’

“Criei a Fenty Beauty porque queria fazer uma marca de beleza inclusiva, para todas as pessoas e em todos os lugares. Quero que todos se sintam bonitos, reconhecidos e empoderados, não importa sua etnia, cultura, tom de pele ou estilo”, disse a artista, em comunicado recente.

A Sephora ainda não havia se manifestou oficialmente sobre as críticas relacionadas à problemática escolha de influenciadoras.

Algumas das influenciadoras brancas responsáveis pela divulgação da Fenty Beauty no Brasil

Publicidade

Fotos da montagem: Reprodução Instagram/@romolocricca, @mariana, @giovannadriano, @gabiliisboa, @alessandra, @mariahbarcellos


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Brasil vive maior retrocesso em liberdade de expressão do mundo, aponta levantamento global