Diversidade

Técnico do Bahia mostra olhar social e quer publicar 50 livros de autores negros e indígenas

por: Redação Hypeness

Em tempos em que há quem ache que futebol não é um espaço político, o Bahia continua dando exemplo. Desta vez, por meio do técnico Roger Machado. O treinador do time masculino do clube é financiador de um projeto que pretende publicar 50 livros de autores negros e indígenas nos próximos cinco anos. A coleção se chama “Diálogos da Diáspora” e surge de um projeto colaborativo entre Roger e Tadeu de Paula, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Observatório do Racismo questiona normalização do preconceito no futebol

Roger Machado é treinador do time do Bahia.

Os dois se conheceram na capital gaúcha, cidade natal do treinador, na escola em que os filhos estudavam. Depois de algumas conversas, decidiram tocar o projeto, com o financiamento de Roger. A intenção é lançar dez exemplares ao ano e tornar os livros mais acessíveis às populações mais pobres. Com a ajuda de Roger, será possível vender obras literárias a preços muito mais baixos do que o de costume. 

O financiamento produz um livro final acessível. Sem o financiamento, a gente ia conseguir lançar dois no ano. Quando ele paga a editora, a gente cria a coleção, ela acelera e sai esse ano”, explica De Paula, ao blog “Olhar Esportivo”, do Uol. Ele lidera a equipe de pesquisa do projeto, ao lado do também professor José Damico, da UFRGS.

Bahia honra sangue negro e assume ponta contra elitização do futebol

O técnico Roger Machado em foto de arquivo.

A Hucitec Editora será a responsável pelo lançamento dos livros. A seleção das obras será feita por intermédio de um edital que deve ser aberto no ano que vem. Serão aceitos documentos em áreas diversas, como Psicologia, Sociologia, Direito, Comunicação, Arte, Urbanismo, entre outros. 

Quando minhas filhas eram pequenas, eu procurava livros para elas, de literatura infanto-juvenil, com autores e personagens negros, e tinha dificuldade e encontrar. Essa inquietação cresceu quando li o livro da Chimamanda Adichie que fala do perigo da história única, como é prejudicial o país quando a história é contata só por um lado, o lado que detém os meios da produção do conhecimento”, afirmou o técnico do Bahia, ao Uol.

Plataforma brasileira promete revolucionar a seleção de jovens jogadores de futebol por clubes e empresários

O Esporte Clube Bahia tem o costume de se posicionar ante a temas relevantes no contexto político e social. No ano passado, por exemplo, a equipe produziu um vídeo para o Dia da Consciência Negra, em novembro. A campanha fazia parte do projeto “Dedo na Ferida”, iniciativa do clube de combate ao racismo institucional e estrutural, e foi muito elogiada.

Publicidade

Foto 1: Instagram/@ecbahia / Foto 2: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
32 frases feministas para começar o mês da mulher com tudo