Debate

Ana Maria Braga, ao revelar assédio sexual de diretor, coloca por terra fala de Boni sobre ‘folclore’

por: Karol Gomes

Mais uma triste história sobre como é difícil ser uma mulher no mercado de trabalho – seja qual for a área. Em entrevista ao programa ‘Roda Viva’, exibido na noite de segunda-feira (21) pela TV Cultura, a apresentadora Ana Maria Braga contou que sofreu uma tentativa de assédio sexual de um diretor de televisão na época em que trabalhou no grupo Diários Associados. Embora não tenha especificado a data, Ana Maria foi funcionária do veículo entre o final da década de 1970 e o início dos anos 1980.

A apresentadora do ‘Mais Você’ afirmou que foi enganada por um chefe, que a pediu um projeto especial como desculpa para atraí-la a sua sala. “Fiquei 15 dias trabalhando no projeto. Acreditando que eu pudesse sair do programa da tarde e ter um programa a noite na televisão”, relembrou.

– Vítima diz que homem tentou se masturbar no trem e denuncia assédio: ‘Não se calem’

Ana Maria Braga em participação no ‘Roda Viva’

Ana Maria Braga revelou ainda que quebrou o braço ao tentar escapar do agressor sexual. “Quando levei [o projeto], ficou na mesa dele. Ele me olhou, levantou da mesa e veio para cima de mim. Fiquei absolutamente estupefata e fugi. Saí da sala dele com tanto ímpeto, que despenquei da escada do nono andar até o oitavo, que era o departamento comercial. Alguém me socorreu e me acudiu. Eu quebrei o braço”.

A comunicadora com passagem pela Record TV disse aos colegas que chegou a denunciar o diretor, mas não falou sobre o desfecho. Ela pontuou, contudo, que um de seus agressores continuou a prática de assédio ao longo de sua carreira, mesmo depois de sair do Diários Associados.

– Jornalista que ancorou o ‘Jornal Nacional’ diz que foi demitida após denunciar assédio de chefe

– Comentarista da CNN se demite de programa por ser interrompida por homens e desabafa

Boni disse, também no ‘Roda Viva’, que há muito ‘foclore’ em assuntos envolvendo assédio

A participação de Ana Maria Braga fez lembrar a presença de outro nome importante no ‘Roda Viva’ especial pelos 70 anos da criação da TV no Brasil, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, O ex-todo poderoso diretor da TV Globo também foi perguntado sobre casos de assédio durante sua gestão de décadas na emissora carioca. A resposta, porém, trouxe declarações preocupantes sobre assédio sexual nos bastidores.

Ao ser questionado se demitiria o ator José Mayer, acusado de assédio sexual em 2017, e o humorista Marcius Melhem, que deixou a emissora no mês passado, após denúncias de assédio moral, o empresário disse que se as queixas fossem comprovadas “certamente demitiria”. Porém, fez críticas ao que chamou de “politicamente correto“. “Eu tenho pavor do julgamento precipitado. Eu acho que, hoje, com as pressões das redes sociais, preocupação com o politicamente correto, se pune e se usa essas questões todas para atingir alguém”.

– Âncora do ‘JN’ cita feminicídio e critica fãs em fala contra contratação do goleiro Bruno

Em relação ao movimento ‘MeToo’, campanha que teve início em Hollywood e escancarou os abusos sexuais nas produções cinematográficas norte-americanas, Boni ressaltou que “há muito folclore”. “No meu tempo, eu não acredito que houvesse outro critério que não fosse talento ou capacidade. Se, eventualmente, fizessem alguma coisa, a gente mandava embora”, disse ele. 

Publicidade

Foto: Reprodução / Roda Viva


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Paraquedista morre durante salto em Boituva; veja estatísticas sobre acidentes no esporte