Debate

Bailarina Ingrid Silva faz a pergunta que não quer calar: por que o brasileiro não se considera latino?

por: Redação Hypeness

Ingrid Silva já falou sobre seu orgulho de ser mulher, preta e brasileira. Agora, ela levantou outro debate sobre vivências e representatividade: o orgulho de sua latinidade. 

“Por que é brasileiro não se considera latino? Mesmo sendo historicamente”, questionou a bailarina no Twitter. Ingrid, que vive em Nova York e faz parte da Dance Theatre of Harlem, ficou intrigada com a questão depois de acompanhar a repercussão de uma publicação realizada pelo Museu Smithsonian, Washington DC, que anunciava as sapatilhas da jovem nascida no Rio de Janeiro como ‘patrimônio histórico do negro’

Ingrid Silva faz sucesso dançando balé em Nova York (EUA)

– Este poderoso curta conta a jornada de Ingrid Silva, das favelas do Rio até o ballet profissional em NY

“Os comentários neste post são de brasileiros dizendo que não são latinos… Eu me considero latina sim”, escreveu Ingrid, que vive em um país onde os marcadores raciais são bem visíveis. Nos Estados Unidos não importa se você seja negro o não, o fato de ter nascido em algum país da América Latina te faz automaticamente um latino-americano antes da cor de pele. A publicação gerou comentários e reflexões sobre a relação do brasileiro sobre sua própria cultura, afinal a sensação de não pertencimento assumida pelo país é motivo de comentários de vizinhos de América do Sul. E você, tem algum palpite sobre o que faz o Brasil não se sentir uma nação latina?

– Ingrid Silva anuncia gravidez em vídeo poético dirigido por Taís Araújo

Nascida e criada em Benfica, bairro na Zona Norte do Rio de Janeiro, Ingrid Silva se apaixonou pelo balé por meio do projeto social ‘Dançando para Não Dançar’, criado por Thereza Aguilar. Ela ficou famosa por pintar suas sapatilhas para que parecessem com a cor de sua pele, que é negra, nas apresentações de balé. 

Eu comecei no balé em uma comunidade próxima da minha residência, na Vila Olímpica da Mangueira, em um projeto social chamado Dançando para não Dançar. Até então todos eram parecidos comigo e com resto do mundo. Quando fui para outra escolas e ganhei bolsa estava na zona sul do Rio. Bem elitizada. Eu era minoria, nunca entendia e nem questionava sempre achei normal até chegar ao Dance  Theatre of Harlem, onde todos se pareciam comigo

– Bailarino nigeriano de 11 anos ganha bolsa de estudos internacional graças a video viral

O trecho acima faz parte da entrevista concedida por Ingrid ao Hypeness. A talentosa brasileira, latino-americana, se tornou a primeira bailarina da Companhia Harlem, em Nova York. Simplesmente o cargo mais alto que se pode ter numa companhia de ballet. 

Já que está aqui, aproveite para ver essa linda campanha estrelada por Ingrid Silva, que está grávida!

Agora as reações das pessoas ao questionamento da bailarina sobre latinidade:

1.

2.

3.

 

Publicidade

Foto: Steven Vandervelden/Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Advogada de globais que denunciaram Marcius Melhem vem a público: ‘trancava e agarrava à força’