Debate

J.K. Rowling perde vergonha de esconder preconceito e divulga loja de produtos transfóbicos

por: Karol Gomes

A autora de Harry Potter, J.K. Rowling já não tenta mais esconder seu posicionamento transfóbico. Nesta quarta-feira (23), ela divulgou uma loja online que vende produtos com mensagens contra mulheres trans. 

A primeira vista, o post não era tão problemático. A escritora compartilhou uma camiseta de uma loja online que traz os dizeres: “esta bruxa não queima”. “Às vezes, uma camiseta fala por você”, escreveu J.K. Rowling. O problema é que ao acessar o site da loja Wild Womyn, o público descobriu que no e-commerce era vendidos produtos com dizeres transfóbicos. 

– Autores se demitem de editora de JK Rowling após empresa não se posicionar sobre transfobia

Uma coleção de adesivos, canecas e broches, por exemplo, inclui itens com as frases: “Transativismo é misoginia”; “Ideologia trans invisibiliza mulheres”; “Notoriamente transfóbica”; “Mulheres trans são homens”. Em sua descrição, a loja se identifica como “radfem”, que é uma vertente do movimento feminista radical. que não enxerga as mulheres transexuais como “mulheres de verdade”.

– J.K. Rowling é criticada pela comunidade trans após comentário sobre mundo pós-coronavírus

Na web, os internautas entenderam que a J.K. Rowling estaria demonstrando, mais uma vez, preconceito com pessoas transexuais. Em outros momentos, ela usou suas redes sociais como palco de ignorância e desinformação sobre o assunto. 

Em julho, Rowling comparou o tratamento hormonal para pessoas que procuram fazer a transição gênero com tratamentos de terapia de conversão sexual, conhecida como ‘cura gay‘. “Estamos assistindo a um novo tipo de terapia de conversão para jovens gays”, escreveu a escritora em seu perfil do Twitter, referindo-se a prescrições hormonais para jovens que questionam sua identidade de gênero como os “novos antidepressivos”.

– Daniel Radcliffe, de ‘Harry Potter’, responde J.K. Rowling e diz que ‘mulheres trans são mulheres’

Rowling citou artigos e estudos para afirmar a terapia hormonal no processo de transição pode levar a efeitos colaterais sérios, que ela acredita serem “ignorados por ativistas”; ela afirmou que hormônios podem causar problemas com “fertilidade e/ou função sexual completa” e disse que “se o sexo não é real, não há atração pelo mesmo sexo”.

Os ativistas que Rowling criticou logo se manifestaram sobre a declaração da autora entre eles, Christine Burns, advogada norte-americana que faz campanha por direitos trans desde os anos 90, que afirmou: “a sugestão de que alguém submeta uma criança a um tratamento de mudança de gênero para evitar que ‘cresça gay ou lésbica’ é uma calúnia para todos os pais que cuidam destas crianças”

– Emma Watson lança consultoria jurídica gratuita para mulheres assediadas no local de trabalho

A autora J.K Rowling

No início de junho, outro episódio decepcionante da escritora, que se mostrou ressentida com um artigo de opinião do site de desenvolvimento global Devex, que dizia “criando um mundo mais igualitário pós-Covid-19 para pessoas que menstruam”

– Emma Watson espalha livros feministas pelo metrô de Londres com direito à dedicatória

Em resposta, a autora de ‘Harry Potter’ tuitou: “Pessoas que menstruam’. Tenho certeza que costumava haver uma palavra para essas pessoas. Alguém me ajude? Wumben? Wimpund? Woomud? (modificações propositais da palavra “Woman”, inglês para mulher)”, a declaração conservadora exclui propositalmente outras pessoas que menstruam, como homens trans e pessoas não binárias.

Sempre que Rowling comete tais gafes – para dizer o mínimo – não são só ativistas que se manifestam contra e;a: o ator Daniel Radcliffe, que deu vida ao personagem principal da saga criada da autora nos cinemas, escreveu que “mulheres trans são mulheres” no site do Trevor Project, uma organização sem fins lucrativos dedicada à intervenção de crise e à prevenção de suicídios para pessoas da comunidade LGBT+.

– Pessoas que gostam de Harry Potter são mais tolerantes e empáticas, aponta pesquisa

“Qualquer declaração ao contrário apaga a identidade e a dignidade de pessoas transgênero e vai contra todos os conselhos dados por associações profissionais de saúde que têm muito mais experiência no assunto que Jo ou eu”, argumentou Daniel.

No texto, o ator explica que sua manifestação não é uma disputa ou desavença entre ele e Rowling, apenas uma maneira que ele encontrou de se manifestar em prol de um grupo discriminado. Ele lembra ainda que “78% dos jovens transgênero e não-binários relatam que foram alvo de preconceito por causa de sua identidade de gênero. Está claro que precisamos fazer mais para apoiar as pessoas transgênero e não-binárias, não invalidar suas identidades, e não causar maior dano“

– Acusado de bater em ex, Johnny Depp é escalado para Animais Fantásticos e fãs ficam furiosos

Daniel Radcliffe (Harry Potter), J.K Rowling, Emma Watson (Hermione Granger) e Rupert Grint (Rony Weasley)

Já Emma Watson, atriz que viveu Hermione Granger na franquia Harry Potter nos cinemas e é ativista feminista, usou seu Twitter para afirmar apoio a comunidade LGBT. “Pessoas trans são quem dizem ser e merecem viver suas vidas sem serem constantemente questionadas”, ela escreveu.

– Estudo comprova que pessoas que amam Harry Potter são as melhores pessoas; entenda

O protagonista mais recente de J.K Rowling, Eddie Redmayne, que faz Newt Scamander em ‘Animais Fantásticos‘, também criticou os tuítes da escritora em relação a identidade de gênero.

Eddie Redmayne (Newt Scamander)

“Como alguém que trabalhou tanto com J. K. Rowling quanto com membros da comunidade trans, quero deixar absolutamente claro qual a minha posição”, afirmou o britânico, que foi indicado ao Oscar por seu trabalho no filme “A Garota Dinamarquesa”, em que interpreta a primeira mulher trans a fazer cirurgia de mudança de sexo. Em comunicado enviado à revista Variety, Redmayne disse: “Eu discordo dos comentários de Jo”.

– Rapper belga de 16 anos denuncia a falta de diversidade em Harry Potter

Os fãs de Harry Potter argumentam online, muitas vezes diretamente no perfil de Rowling, que o mundo de fantasia criado por ela ajudou muitas pessoas a se tornarem tolerantes e aceitarem diversidade. Logo, o posicionamento de Rowling sobre a comunidade LGBT não condiz com a história sobre amor e aceitação que ela mesma criou.

Rowling não pode contar nem mesmo com o colega de profissão Stephen King. Ela apagou um tuíte em que o elogiava após o autor de ‘O Iluminado’ e ‘A Torre Negra’ responder ao questionamento de um seguidor afirmando que “mulheres trans são mulheres”.

A interação entre os dois escritores começou quando King retuitou uma postagem de Rowling, em que ela citava uma frase da ativista feminista Andrea Dworkin.

– 15 ideias que J.K. Rowling cortou dos livros que mudariam para sempre a saga Harry Potter

“Andrea Dworkin escreveu: ‘Homens frequentemente reagem às palavras de mulheres — faladas ou escritas — como se fossem atos de violência; às vezes, homens reagem às palavras das mulheres com violência’. Não é odioso que as mulheres falem de suas próprias experiências, e elas não merecem ser vivificadas por fazer isso”, disse Rowling.

Após notar que King havia retuitado, Rowling fez uma nova postagem elogiando o colega, dizendo que sempre admirou suas personagens femininas. “É muito mais fácil para homens ignorarem as preocupações de mulheres, ou diminuí-las, mas eu nunca vou esquecer os homens que se pronunciaram quando não precisavam se pronunciar. Obrigada, Stephen”, dizia ela.

– ‘Harry Potter’: astro da saga de JK Rowling revela luta de décadas contra vício em drogas

No entanto, pouco tempo depois, King respondeu a um seguidor que cobrava seu posicionamento sobre a causa trans, explicando que Rowling tinha falas transfóbicas: “Você devia dizer a nós, leitores constantes, se acredita que mulheres trans são mulheres”. O escritor respondeu positivamente. Em seguida, Rowling apagou o tuíte falando bem do amigo. 

Em resposta às críticas, Rowling provocou mais controvérsia ao publicar um artigo em seu site oficial em que vinculava sua experiência com abuso sexual no passado à sua preocupação com o acesso de mulheres trans a espaços exclusivos para mulheres cis. A escritora disse que permitir, por exemplo, o uso do banheiro feminino às pessoas trans é “acobertar predadores”.

– Atriz de Harry Potter desabafa sobre estupro: ‘Percebendo 18 anos depois’

O acesso aos espaços exclusivos para um sexo, como casas de acolhimento de vítimas de violência e banheiros públicos, por exemplo, são pontos de tensão para a comunidade LGBT. Há alegações discriminatórias que apontam que homens poderiam se passar por mulheres trans para obter acesso a esses lugares e cometer violência.

Publicidade

Foto 1: Getty Images
Foto 2: Reprodução / Twitter
Fotos 3 e 4: Getty Images


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Velhas grávidas: Anna Radchenko combate etarismo com ensaio fotográfico ‘Avós’