Agenda Hypeness

Agenda Hype em casa: Vanessa da Mata, John Lennon e Dia das Crianças online

por: Gabriela Rassy

Aquela programação cremosa para levar muita cultura para casa. Nesta semana, o Sesc ao Vivo chega chegando com Vanessa da Mata, BNegão e Johnny Hooker. Já o MIS faz um bate papo e visita virtual da exposição John Lennon 80 anos. Dia das Crianças temos? Temos! O CCBB ataca com programação que dura o mês todo, além de algumas boas opções gastronômicas para a semana.

Vem na minha!

#lives

Sesc Ao Vivo |  Youtube e @sescaovivo
Na programação desta semana tem BNegão canta Dorival Caymmi na quinta; Johnny Hooker na sexta; e Vanessa da Mata com Rodrigo Braga e Mauricio Pacheco no sábado.

Buena Onda Reggae Club | YouTube 
Quintas, 20h
Um dos grandes destaques da cena instrumental brasileira contemporânea, realiza entre os meses de outubro e novembro uma maratona de apresentações online no YouTube. Ao todo, serão seis shows, além de uma agenda de talks online em novembro com convidados especiais. No repertório, ska, dub e reggae com influência de ritmos brasileiros e de outros lugares do mundo.

Festival Nexo + Nexo Políticas Públicas: o Brasil em debate
Mês de outubro
Grátis
Um evento em que os temas mais importantes da agenda pública do país serão abordados e debatidos de acordo com os princípios e formatos editoriais do Nexo, e com o rigor científico do Nexo Políticas Públicas. Na página do festival você tem acesso a todas as sessões e pode montar o seu evento. É possível adicionar compromissos na agenda e registrar-se para receber por e-mail lembretes do início das sessões e conteúdos extras do festival.

John Lennon 80 anos – Música e seus dias em Nova York
Sexta, 19h
Grátis
O MIS – instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo – preparou uma programação especial para esta semana. No dia 9 de outubro, John Lennon completaria 80 anos e, para marcar a data, o Museu realiza uma live especial que aborda sua carreira, com destaque para a produção do artista nos 10 anos em que viveu em Nova York, e a exposição John Lennon em Nova York por Bob Gruen. A conversa ao vivo acontece no canal do YouTube do MIS, às 19h, e conta com a participação do jornalista e curador da exposição Ricardo Alexandre, da jornalista Lorena Calabria e de Marco Antonio Mallagoli, presidente do fã-clube Revolution. O bate-papo integra a programação do #MISemCASA, campanha virtual com conteúdo inédito no canal do Museu da Imagem e do Som no YouTube.

Pocket Cultural | FacebookYoutube
Quinta, dia 8, 19h
Grátis
Firjan SESI dá a largada para o seu novo projeto com transmissão ao vivo espetáculos de dança, música e teatro. As apresentações gratuitas e sem público ocorrem no teatro Firjan SESI Centro. A estreia fica por conta da atriz e cantora, Carol Fazu, que levará ao palco o show Janis, uma dose, uma homenagem aos 50 anos da morte de Janis Joplin, completos em 4/10.

Festival Transborda | YouTube
Sábado, 16h
Há uma década levando arte à Minas, o festival transmite shows de Sara Não Tem Nome, Coral, Persiano, Gustavo Drummond, Heberte Almeida, Jennifer Souza, Maíra Baldaia e Thiago Correa.

Musicar, o maior festival de música infantil do Brasil
10 de outubro a 15 de novembro
Grátis
Depois de três edições no CCBB-Brasília e uma no CCBB-BH, o festival aconteceria pela primeira vez no CCBB-SP e no CCBB-RJ, mas por conta da pandemia, foi totalmente adaptado para o ambiente virtual. O Musicar tem mais de 50 atrações, 100% on-line e gratuitas, entre shows, vivências, oficinas, podcasts, webinars, e atividades exclusivas para adultos. Entre os destaques da programação estão os shows do paulista Hélio Ziskind, da carioca Bia Bedran, e as atrações internacionais: Chalanes del Amor (mexicanos que se apresentam pela primeira vez no Brasil), Lenna Bahule (cantora moçambicana e ativista que fará um resgate das cantigas populares e infantis africanas) e o Duo Karma (duo cubano que mistura literatura, arte e música infantil).

#lançamentos

Acabou Chorare Replay
A música tem o potencial de conectar pessoas, marcando grandes momentos e fazendo parte de suas histórias. Esse é um dos motivos que faz dos grandes álbuns projetos eternos, capazes de encantar gerações. Para homenagear esses trabalhos, Globo e Barry Company se uniram para desenvolver o projeto Replay, que irá regravar grandes discos da música brasileira na voz de jovens talentos. E com apoio de Devassa, o álbum ‘Acabou Chorare’, sucesso do Novos Baianos na década de 70, será o primeiro a ser celebrado pela iniciativa, com suas 10 faixas regravadas por Francisco el hombre – “Brasil Pandeiro”; Onze:20 – “Preta Pretinha”; Céu – “Tinindo Trincando”; Gilsons – “Swing de Campo Grande”; Maria Gadú – “Acabou Chorare”; Marcelo Jeneci – “Mistério do Planeta”; Xenia França – “A menina dança”; João Cavalcanti – “Besta é tu”; Afrocidade – “Um bilhete pra Didi”; Letrux + Iolly Amâncio – “Preta Pretinha (reprise)”. Com processo de regravação e curadoria artística da Som Livre, o álbum completo está disponível nas plataformas de música.

Julico feat. Curumin | Todo Santo Dia
Com mais guitarras do que os singles anteriores e participações emblemáticas, como a do cantor e instrumentista Curumin (indicado ao Grammy Latino de 2017), Todo Santo Dia é mais uma música robusta lançada por Julico, repleta de arranjos que remetem à música brasileira setentista. Todo Santo Dia é o terceiro single do álbum “Ikê Maré”, o primeiro do compositor e produtor musical, também o frontman do power trio sergipano de blues rock The Baggios.

Aya | A Verdade
O novo single da cantora é um “R&B de mensagem” que empresta do rap não apenas o intuito de uma reflexão mais profunda, mas também a batida e estilística dos clássicos boombaps, com direito a beatbox, adlibs, riscos e arranjos orgânicos. A caneta, ferramenta que a compositora vai afiando mais a cada música, expressa também outras similaridades com o estilo, como versar sobre temas sensíveis mas com papo de visão, como pode ser conferido na letra, que propõe tratar da ansiedade e saúde mental a partir de uma abordagem aberta e confiante.

Artur Nabeth | Mitos
Após quinze anos cantando em bandas, o cantor e compositor Artur Nabeth tinha deixado a carreira artística de lado para se dedicar a outros projetos profissionais. Já estava parado havia seis anos quando soube que ia ser pai, em 2018. Pensou: “Será que meu filho nunca vai conhecer esse meu lado?”. Decidiu, então, fazer um álbum solo. Quando começou a tirar algumas melodias da gaveta para compor o repertório, Jair Bolsonaro foi eleito, deixando um clima de desalento no ar. Foi imbuído desses sentimentos tão diferentes que ele criou “Mitos”, um disco que fala basicamente de descrença e esperança, fim e recomeço.

L_cio | ALGO_1
ALGO_1 é o clip da primeira faixa do novo álbum do DJ e produtor musical L_CIO. Criado e dirigido por Diego Martins, o vídeo foi gravado em um apartamento no Edifício Copan, em São Paulo. Em cena, Jesuíta Barbosa embarca em uma jornada poética de descobertas e desejos em um espaço e tempo embaralhados pela arquitetura e pela luz. O personagem parte em uma jornada de conexão, explorando seu corpo em uma dança solitária no edifício de Niemeyer.

Rodrigo Novo | Cego
O músico, cantor e compositor Rodrigo Novo estreou ontem o single e o clipe de “Cego” – veja aqui. A música é a primeira a ser revelada de Sítio, novo álbum do artista de Vitória (ES) e que será lançado em breve. “Cego”, uma das faixas mais antigas de Sítio, teve vídeo dirigido por Gabriel Roemer. A música foi composta por Rodrigo em 2016, inspirada em questões envolvendo as individualidades e caminhos de vida tomados pelas pessoas, de diferentes jeitos e em diferentes contextos.

 

#filmes

MATRIZ.doc | GNT Play
Quarta, 7 de outubro, 00h
“É um resgate de identidade, é uma retomada. É uma ocupação de uma coisa que é nossa, que é nossa cultura. Porque é isso: ou você respeita a existência ou espere resistência.” – com essa declaração, Pitty abre o documentário “MATRIZ.doc”. O filme foi capitaneado por Otavio Sousa, que além de já trabalhar com Pitty há muitos anos, é amigo dela e da equipe, e por isso mesmo consegue trazer à público a intimidade do estúdio, das conversas, dos comentários divertidos, das alegrias dos encontros e trocas, que em geral ficam só nos bastidores.

#cênicas

Ninho
Até 8 de outubro, sessões às 20h30
Grátis
A atriz Janaína Suaudeau faz as últimas sessões do espetáculo do autor espanhol Marc Garcia Coté, com direção de Bruno Guida. Encenada no Viga Espaço Cênico é transmitida via streaming pelo YouTube, a peça parte de uma queda de avião para chegar na história de uma garota que rompe um silêncio de anos para confrontar seus medos.

15 anos Grupo 3 de Teatro

Foto: Cleber Corrêa

Palco Aberto: 15 anos Grupo 3 de Teatro
Peças – terças-feiras de outubro, às 20h
Websérie – Sextas de outubro, às 20h
Grátis
Em comemoração aos 15 anos de criação do Grupo 3 de Teatro, o Itaú Cultural recebe a companhia em sua programação teatral online ao longo do mês, festejando a data em cena, virtualmente. Dividindo a tela com o público, o grupo é o convidado de toda a atividade cênica do Palco Virtual de outubro. Nas três primeiras terças-feiras, a partir do dia 6 de outubro, apresenta, ao vivo, o espetáculo “Contrações”. Na última semana do mês, exibe o registro do premiado “Love, Love, Love”. Por sua vez, a peça “Neste Mundo Louco, Nesta Noite Brilhante” ganha formato de websérie, dividida em cinco episódios dirigidos pelo fotógrafo, cineasta e documentarista João Wainer em parceria com a companhia que estreiam no site da instituição, www.itaucultural.org.br, às sextas-feiras. A ação especial conta, ainda, com o lançamento de um livro digital sobre essa trajetória, assinado pelo crítico Valmir Santos, com apoio do Itaú Cultural.

#leitura

Mulheres quilombolas: Territórios de existências negras femininas
Vozes historicamente silenciadas encontram um espaço para compartilhar saberes a partir da perspectiva de dezoito autoras – pesquisadoras acadêmicas, poetas, ativistas de movimentos sociais e integrantes de instituições que atuam nas muitas causas pertinentes aos povos quilombolas.
As mulheres que compartilham a autoria da obra nasceram e viveram em comunidades espalhadas pelo Brasil, e contribuem com suas reflexões para tecer uma obra polifônica em torno do que é ser mulher e quilombola, racializada e inserida em uma realidade praticamente ignorada pela maioria da população brasileira. Com uma pluralidade de eixos temáticos apresentados – de violência doméstica a educação –, as autoras abordam a dureza de uma luta que se estende por décadas, pela reivindicação de ações afirmativas e de direitos básicos, como o reconhecimento de seus territórios, ocupados pelos povos quilombolas desde tempos que se perdem na história deste país.

E foi assim que eu e a escuridão ficamos amigas
Teve um momento em que Emicida percebeu que era preciso chegar mais cedo na vida das pessoas, preenchendo vazios e ausências com referências bonitas. Foi esse entendimento que levou o rapper a fazer a sua estreia como escritor, em 2018, com o livro infantil Amoras. Ele acredita que, se falarmos com as crianças sobre as questões importantes da vida, elas se tornam mais fortes na hora de enfrentar as maldades do mundo. É justamente a aflição na escuridão, que é tão dura a ponto de calar a sede de aventura, que se torna tema central do segundo livro do artista. O livro tem ilustrações de Aldo Fabrini e chega ao mercado no mês de outubro pela Companhia das Letrinhas.

Como Subir em Árvores
Memórias, reflexões e indagações fazem parte do novo lançamento da Editora do Brasil. Escrito por Tiago de Melo Andrade, com ilustrações de Carolina Monterrubio, o livro de crônicas e contos mergulha em grandes questões da humanidade.

#cursos

Escritos para liberdade: imagens e autobiografias de escravizados
Com Rafael Domingos Oliveira
Às quintas e sexta: 15, 22 e 29/10 e 5,12 e 13/11
Das 19h às 21h
Vagas limitadas
R$ 240 (Amigo MASP tem 15% de desconto)

Com base em autobiografias de pessoas negras escravizadas, publicadas entre fins do século 18 e durante o século 19, e na análise de obras exibidas na exposição Histórias afro-atlânticas (MASP, 2018), o curso discutirá as produções escritas e visuais que conectam trajetórias afro-diaspóricas, mulheres e homens que passaram pela experiência da escravização e da luta pela liberdade (nos Estados Unidos, Brasil e Cuba), como Mahommad Gardo Baquaqua, Juan Francisco Manzano, Sojourner Truth e Olaudah Equiano. O objetivo é possibilitar outros olhares para temas recorrentes da historiografia sobre escravidão, liberdade e abolicionismo. Ao longo das aulas, a produção iconográfica que se relaciona com a escrita autobiográfica no contexto da escravidão será apresentada e mediada.

 

Capa de ‘Ain’t I a Woman_ A Midwest Newspaper of Women’s Liberation’, v. 1, n. 1, 26.6.1970 – jornal publicado entre 1970 e 1974 em Iowa City, Estados Unidos, acervo MASP

#gastronomia

Nesta semana, um especial antecipando o Dia das Crianças, para todo mundo se programar:

Confeitaria Dama
Um kit fofíssimo que une produtos do DAMA Empório (a marca que elas lançaram durante a pandemia, que disponibiliza para o público as bases e preparos das sobremesas da DAMA para que cada um faça suas próprias criações em casa) e um livro de receitas para os pequenos anotarem as suas <3

By Koji
Criados pelo chef Koji Yokomizo, os pratos reúnem versões mini de sushis, sashimis e teppan, como o Combinado Kids (R$ 59), que oferece 6 niguirisushi, 4 baterás, 8 hossomakis e 2 dyo, sequência preparada com salmão fresco; já o Teppan (R$ 42)  para as crianças conta também com salmão grelhado acompanhados de vegetais suculentos e o Gohan. Para adoçar, a casa indica o Choux Cream (R$ 10), tradicional sobremesa japonesa, massa com leve sabor de amêndoas recheada com creme de baunilha, e o clássico Brigadeiro de Colher (R$ 12), preparado com o chocolate belga Callebaut.

 

Publicidade


Gabriela Rassy
Jornalista enraizada na cultura, caçadora de arte e badalação nas capitais ensolaradas desse Brasil, entusiasta da cena musical noturna e fervida por natureza.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
A nova Mulher Maravilha é uma indígena brasileira