Debate

Boticário substitui termo Black Friday para combater racismo

por: Redação Hypeness

O presidente do Grupo Boticário, Artur Grynbaum, anunciou nesta terça-feira (29), por meio de uma postagem em seu LinkedIn, que a empresa não vai mais usar o termo “Black Friday”, para se designar ao dia mais importante do ano para as vendas do varejo, que acontece tradicionalmente no fim do mês de novembro. O motivo? A grande corporativa acredita que a atitude pode combater o racismo no mercado. 

O CEO justifica a decisão, feita a menos de dois meses do evento, como respeito ao público que se sente desconfortável com o termo, que gera debates se tem ou não ligação com a escravidão. 


– Magazine Luiza: reação após vaga exclusiva para negros prova que decisão foi acertada

A Black Friday é uma tradição estadunidense, que costuma seguir o Dia de Ação de Graças no país. – é celebrada no dia seguinte, quarta quinta-feira do mês de novembro. É o dia que inaugura a temporada de compras natalícias com significativas promoções em muitas lojas retalhistas e grandes armazéns. A cada ano o comércio brasileiro tem aderido mais a tradição, muitas vezes com um mês inteiro de promoções. 

Segundo Grynbaum, a decisão ocorre mesmo sem dados científicos que comprovem que tal termo esteja relacionado à questão da escravatura, pois preza pelo respeito, inclusão e diversidade na companhia.

– Racismo: funcionária acusa gerente da Rosa Chá de chamá-la de escrava na frente de colegas

O Grupo passará a adotar o termo “Beauty Week” em suas ações e campanhas para se referir a semana do evento. Em inglês, “beauty” significa “beleza”, que é o mercado da marca. 

“Precisamos de algo maior e essa transformação deve começar por nós”, afirma Grynbaum, que utiliza hashtag #blackisbeauty (ou preto é beleza) no fim do post lembrando o compromisso da empresa que, desde 2013, busca promover igualdade nas jornadas de trabalho e incorporar políticas de equidade racial, gênero, pessoas com deficiência e de diferentes idades.

– Comentarista demitido após mandar jogador ‘pra senzala’ tinha grupo no WhatsApp com mesmo nome

Por fim, Artur Grynbaum, deixou o convite para que as demais empresas aderissem a ação. “Afinal, não estamos falando “só” de uma mudança no termo: está em pauta aqui o caminho para alcançarmos o sucesso responsável e dar mais uma contribuição para uma nova perspectiva de raça na sociedade, com senso de urgência e coragem”, diz o CEO do Grupo Boticário.

 

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Menina de 11 anos tem página invadida e sofre ameaças e ataques racistas