Arte

Daiara Tukano, a autora do maior mural feito por uma artista indígena no mundo

por: Redação Hypeness

A arte de uma mulher indígena segurando uma criança no colo chama a atenção de qualquer pessoa que circule pelo Centro de Belo Horizonte. O desenho de 1000m2 feito no edifício Levy, na Avenida Amazonas, é criação de Daiara Tukano, do povo de mesmo nome, artista, comunicadora, educadora e orgulhosa artista responsável pelo maior mural feito por uma indígena no mundo. 

São Paulo ganha mural feito com tinta que ajuda a limpar o ar como 750 árvores

‘Selva Mãe do Rio Menino’: o mural de Daiara antes de ser finalizado.

A obra é parte da 5ª edição do Circuito de Arte Urbana (Cura), realizado entre os dias 22 de setembro e 4 de outubro, na capital mineira. Por conta da pandemia do coronavírus, apenas quatro empenas foram pintadas no centro da cidade. Entre elas, a de Daiara, que recebeu o significativo nome de “Selva Mãe do Rio Menino”. 

No momento em que as matas queimam Brasil afora, a artista Daiara Tukano pinta em Belo Horizonte o menino Rio, filho das matas, nos lembrando que, para que exista água, é necessária a floresta. Nas palavras de Daiara, ‘os rios são os avôs, todo avô já foi menino e todo rio tem mãe. E essa mãe é a mãe natureza”, diz o texto publicado na conta do festival no Instagram. A pintura tem impressionantes 48 metros de altura e 28 de largura. 

Conheça outros trabalhos de Mona Caron, autora da ‘planta do minhocão’, pelo mundo

dAIARA

A artista indígena Daiara Tinoco.

Oriunda do povo Tukano, na região amazônica, Daiara nasceu em São Paulo e tem 38 anos. Ela se formou em artes visuais pela Universidade de Brasília (UnB) e fez mestrado em Direitos Humanos, com especialização em memória e verdade dos povos indígenas. Ela também coordena a primeira rádio online indígena do Brasil, a Yandê.

Me sinto privilegiada de ter sido convidada a fazer essa pintura em um prédio de Belo Horizonte, no circuito de arte urbana, que faz parte de um projeto maravilhoso”, orgulha-se, em entrevista ao “Uol”. Ela conta que, apesar da pandemia, decidiu participar do projeto para chamar a atenção para uma assunto de extrema importância atualmente: a preservação ambiental. 

Sandra Benites, 1ª curadora indígena de museu do Brasil, diz não sentir mais medo

A vista lá de cima: Daiara ao lado de sua equipe de pintura.

Acostumada a trabalhar com formatos menores, Daiara se surpreendeu com o tamanho do mural mineiro. “Agora está começando a cair a ficha de que essa é a maior obra de arte indígena contemporânea do mundo”, diz. 

Sobre o mural, ela conta que ele também é uma homenagem à resistência dos parentes indígenas. A imagem da mulher representa “a mãe natureza, a mãe selva, a mãe floresta, a mãe das matas, que carrega o seu filho, um rio menino, que só nasce onde tem mata”. 

É uma maneira de representar a soberania, porque a natureza é soberana, e trazer um sentimento de pertencimento, porque acredito que essa mãe natureza nos segura no colo, nos dá água para beber, ar para respirar, o melhor alimento.

Daiara posa em cima do andaime que permitiu a pintura do mural gigante.

Publicidade

Fotos: Instagram/@daiaratukano


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
A parte boa e oculta dos relacionamentos longos em ilustrações honestas e delicadas