Debate

Desplante: Monica Benini celebra a retirada das próteses de silicone, ‘me reencontrei’

por: Karol Gomes

“Não estava feliz”, declarou a designer de joias e digital influencer Monica Benini, em uma live sobre um procedimento pelo qual passou recentemente, o desplante. Ou seja: a retirada da prótese de silicone dos seios. 

“Era um descontentamento que eu tinha. No início da pandemia, eu estava programado para fazer e não achei seguro. Falei com vários médicos agora e resolvi fazer. Eu trabalhei por alguns anos como modelo, cheguei em São Paulo com 22 anos. Sempre fui uma modelo comercial, que são meninas que não são tão magras, que tem outro padrão [de corpo]”, explicou a esposa de Junior Lima. 

– Doenças e estética: por que algumas mulheres estão tirando o silicone dos seios

Na gravação, Monica revelou que colocou silicone há cerca de 12 anos, mas que essa nunca foi uma decisão que a fez bem, mas sim uma imposição para agradar aos olheiros no ramo em que trabalha. 

– Eletricista investigado por morte de funkeira é acusado de fazer cirurgias plásticas em clínica

“Todo mundo colocava silicone, minhas amigas saíam com decotes, super felizes, achando o máximo, e no fundo, quando eu olho para trás, nunca tive esse sentimento. Antes de colocar [silicone], eu usava decote, biquíni, ficava super bem. Depois que coloquei, parei [de usar]. Não é um problema, é um relato pessoal”, revelou ela.

Monica ainda disse que estava sentindo sintomas de doenças relacionadas à prótese de silicone, como fadiga, perda de memória, erupção cutânea, “névoa cerebral” e dor nas articulações. 

– Mulher toca violino durante cirurgia de retirada de tumor no cérebro; veja vídeo

“Somado a tudo isso, de não gostar a parte estética, preferia meu peito de antes, e esses sintomas, tem o fato de que combina muito mais comigo, de me aceitar do jeito que sou, não ter próteses”, completou.

 

Publicidade

Foto: Reprodução / Instagram


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.


X
Próxima notícia Hypeness:
Ana Beatriz, indígena de 5 anos, é morta asfixiada após ser estuprada em crime bárbaro no Amazonas