Arte

Fotografa registra manifestação afrobrasileira em quilombo urbano na Bahia

por: Gabriela Rassy

O Bicho Caçador é uma manifestação cultural, peculiar à cultura afro, nascida de uma lenda muito antiga do bairro Porto de Trás, o primeiro da cidade de Itacaré, no sul da Bahia, e considerado um quilombo urbano pela Fundação Palmeira. A fotógrafa Camis Batista se deparou com a manifestação cultural no dia 6 de janeiro deste ano e produziu lindas imagens contando a história.

A lenda conta a história de um homem que lutou bravamente, com um facão e uma arma, contra dois grandes bichos que encontrou na beira do rio quando parou para beber água durante sua caçada. “Li e ouvi duas vertentes desse folclore: uma diz que quando ele voltou vitorioso para o vilarejo e contou sua história, a comunidade passou a festejar o Bicho Caçado nos dias 1, 26 e 31 de dezembro. Outra conta que o bicho comeu o caçador, incorporando seu espirito e tornando-se o bicho-caçador, que passa a ser comemorado em janeiro, nas comemorações de Reis”, conta Camis.

“Desde então, ano após ano, a resistência negra preenche as ruas do centro de Itacaré e mantém viva essa tradição oral, que se manifesta com batucadas do samba duro, cantos, danças de roda e a parada em seis casas tradicionais da cidade, que ofertam cachaça e comida para os músicos, para os bichos e para o caçador”.

Fotógrafa viajante e produtora de conteúdo sobre experiências de vida mais simples e sustentáveis, Camis Batista encontrou sua grande inspiração para a fotografia de rua na Bahia, Estado pelo qual está viajando há mais de 3 anos e a encanta por suas ricas expressões culturais e belas paisagens.

Confira as imagens abaixo e acompanhe o trabalho pelo Instagram.

View this post on Instagram

Uma das maravillhas de ser nômade, é conhecer e participar de manifestações culturais! Essas são algumas das fotos que fiz desse encontro incrível que acontece ano após ano somente em Itacaré. O Bicho Caçador é uma manifestação cultural, peculiar à cultura afro, nascida de uma lenda muito antiga do bairro Porto de Trás, primeiro de Itacaré e considerado um quilombo urbano pela Fundação Palmeira. A lenda – que simboliza o período da escravidão, a fuga e a liberdade – conta a história de um homem que lutou bravamente, com um facão e uma arma, contra dois grandes bichos que encontrou na beira do rio durante sua caçada. Contam que o bicho comeu o caçador, incorporando seu espirito e tornando-se o bicho-caçador, que passa a ser comemorado em janeiro, nas comemorações de Reis. Desde então, nessas datas a resistência negra preenche as ruas do centro de Itacaré e mantém viva essa tradição oral, que se manifesta com batucadas do samba duro, cantos, danças de roda e a parada em 6 casas tradicionais da cidade, que ofertam cachaça e comida para os músicos, para os bichos e para o caçador. ✊🏿✊🏿✊🏿 #turismocultural #culturanegra #resistencianegra #bahia #turismoculturalurbano #ninjafoto #midianinja #itacaré #documentaryphotography #everydaylatinamerica #contemporaryphotography

A post shared by CAMIS ∵ ECO NÔMADE (@camisnomundo) on

Publicidade

Fotos: Camis Batista


Gabriela Rassy
Jornalista enraizada na cultura, caçadora de arte e badalação nas capitais ensolaradas desse Brasil, entusiasta da cena musical noturna e fervida por natureza.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Filmes com protagonismo preto que você precisa conhecer hoje