Inspiração

Jogadores fazem mutirão pra terminar casa de massagista do Sampaio Corrêa

por: Yuri Ferreira

Olha só que bacana: dois jogadores do Sampaio Correia, único representante do Maranhão na Série B do Campeonato Brasileiro, usaram a folga nos treinos para ajudar o massagista do clube, Haroldo, a construir a sua casa. Jackson, atacante, e Ferreira, volante, utilizaram seu tempo livro para ajudar o funcionário do clube numa obra daquelas!

A postagem do Bolívia nas redes acabou viralizando. Em um mundo do futebol onde estamos acostumados a imaginar os jogadores de futebol em resorts, festas e mansões milionárias, a história de Jackson e Ferreira mostra qual é a realidade da maioria dos desportistas no Brasil: longe do luxo e perto do povo de verdade.

– Primeiro jogador de futebol gay recebe homenagem de museu

Jackson atacando com a colher de pedreiro, Ferreira armando na selfie e o massagista Haroldo costurando o meio campo na obra

“É um momento único de ajudar o Haroldo, assim como qualquer outra pessoa. E o melhor de tudo foi ver a felicidade no rosto dele, e isso aí não tem preço”, declarou o atacante Jackson ao portal oficial do Tricolor de Aço.

– Bahia honra sangue negro e assume ponta contra elitização do futebol

Enquanto muita gente acredita que o futebol só se reflete na elite, em clubes milionários como Flamengo e Palmeiras, a realidade da bola no Brasil está em um lugar muito diferente. Um levantamento de 2016 feito pela CBF mostra que 96% dos jogadores do futebol brasileiro ganham menos de R$ 5 mil por mês. Imagine o massagista de um clube nordestino sem expressão nacional. Daí vem a frase de Ferreira: “Só sabe de deserto quem já passou”.

“Sensação única de ajudar o Haroldo, nessa iniciativa do Jackson. É muito gratificante poder fazer o bem, não só porque foi com ele, mas com qualquer pessoas que necessite. Foi muito bom ver o sorriso no rosto dele, que é um cara que batalha com a gente no dia a dia e luta para construir a sua casa”, ressaltou.

– Observatório do Racismo questiona normalização do preconceito no futebol

O Bolívia está em 10º lugar na segunda divisão do Brasileirão e procura conquistar pela primeira vez um lugar na elite do futebol brasileiro na era dos pontos corridos. Confira a postagem original do Sampaio Correia nas redes sociais:

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mulher investe quase R$ 150 mil e gasta mais de 200 horas para tatuar corpo da cabeça aos pés