Debate

Juanita Holmes: mulher negra é nomeada para principal cargo da polícia de NY

por: Redação Hypeness

O Departamento Polícia de Nova York promoveu uma mulher negra, Juanita Holmes, para um cargo-chave, o que pode ajudar a restaurar a confiança em uma instituição alvo de críticas por parte do movimento Black Lives Matter.

O prefeito democrata de Nova York, Bill de Blasio, nomeou Holmes como chefe da patrulha, colocando-a no comando de todas as 77 delegacias de polícia da cidade, a principal força policial municipal americana, que conta com quase 35 mil agentes.

– Maju Coutinho manda papo reto sobre racismo ao noticiar prisão equivocada no Jornal Hoje

Após 30 anos de carreira na polícia, Holmes reconheceu que sua nomeação ocorreu em “um momento difícil” para a polícia a NYPD. O Departamento de Polícia de Nova York foi acusado por inúmeras brutalidades durante os grandes protestos do Black Lives Matter que sacudiram a cidade de Nova York após a morte de George Floyd, no final de maio.

– Após assassinato de George Floyd, maioria de conselheiros quer dissolução da polícia de Minneapolis

Em seguida, houve um surto de homicídios e tiroteios pela primeira vez desde os anos 1990. Um número excepcionalmente alto de policiais deixou a instituição ou deseja sair, em sinal de baixa moral.

E o chefe anterior da patrulha, de origem dominicana, havia renunciado recentemente, após menos de um ano no cargo, resultado de desentendimentos com o prefeito, segundo a mídia local.

– Grávida é baleada em ação policial no Rio. Por que não estamos protestando?

O principal sindicato policial de Nova York – contrário à de Blasio e apoiador da reeleição de Donald Trump – aplaudiu a nomeação de Holmes.

Publicidade

Foto: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Mulher negra eleita prefeita aos 32 anos sofre com ataques racistas e covardes: ‘Cara de favelada’