Debate

Livro escrito por número 2 do PCC inspirado em GOT é confiscado por potenciais mensagens cifradas

por: Redação Hypeness

Roberto Soriano é o dono de vários apelidos: Tiriça, Beto, Betinho, Luciano, Maionese e Mamá. Mas na mídia, costumam o chamar de “número 2 do PCC”, afinal, é daí que vem a notoriedade do homem, um dos principais nomes da maior facção criminosa do Brasil. Detido na Penitenciária Federal de Brasília, Tiriça sofreu um grave revés em sua mais recente empreitada: ele quer se tornar um escritor.

Soriano havia escrito um romance medieval. Segundo o próprio, a saga de George R. R. Martin, ‘Game of Thrones’, foi uma de suas principais inspirações para escrever a narrativa, que fala de castelos, princesas, guerreiros, catapultas e todos esses elementos comuns da literatura que conta histórias dos tempos medievais.

– Autor de livro sobre PCC diz que facção funciona como ‘maçonaria do crime’: ‘Não há um dono’

Tiriça é um escritor incompreendido? Ou um gênio do crime disfarçando seu plano de fuga em um romance medieval?

Entretanto, o Departamento Penitenciário Nacional (Depen), o livro de Soriano pode ser uma mensagem cifrada para uma tentativa de fuga. A narrativa conta a história de uma cidade sitiada, a invasão de um castelo por um túnel, a derrubada de sentinelas do castelo com catapultas e diversos outros elementos que levaram os profissionais do Depen a uma severa desconfiança da obra de Tiriça.

– Chacina em prisão no Pará é a maior desde o Carandiru

“Considerando o perfil do autor e o local onde se encontra, naturalmente que o texto pode e deve ser interpretado como possível referência à Penitenciária Federal de Brasília”, argumenta o Depen, que confiscou o livro e se recusou a entregar a obra para a família do presidiário. Agora, o número 2 do PCC protesta contra a censura.

As informações coletadas pela coluna de Josmar Jozino mostram ainda que Tiriça está realmente desconfortável com o confisco de sua obra. “Fazer analogia de um castelo medieval com um presídio é errôneo”, disse Soriano.

– Lucro de R$ 9,7 milhões por mês do tráfico pode explicar existência da Cracolândia

Na obra, os soldados  utilizam equipamentos antigos como arcos e flecha, machados e catapultas, além de armaduras e espadas. “Não é nada moderno que traga à luz algo subversivo”, explica o autor. Ele explicou que a invasão da cidade por túneis – método comum de fuga de penitenciárias – são somente ficções e não podem servir de analogia a um presídio.

Publicidade

Fotos: Divulgação/Depen


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Criança morre presa dentro de carro em calor de 33º enquanto casal assiste série