Inspiração

O 1º mascote vencedor do Nobel vive num dos maiores campos de refugiados do mundo

por: Vitor Paiva

Ele começou vivendo nas ruas, sobreviveu a doenças terríveis e hoje é reconhecido como inspiração para um Prêmio Nobel: essa é a história de Foxtrot, um simpático cãozinho de Bangladesh que “trabalha” como mascote World Food Programme, programa de combate a fome da ONU, atuando em um dos maiores e mais populosos campos de refugiados no país e no mundo. Alguns dias atrás, como reconhecimento por seus “esforços para combater a fome e melhorar as condições para paz em regiões de conflitos”, a WFP foi premiada com o Nobel da Paz.

Foxtrot foi encontrado em péssimas condições uma praia e levado ao campo por funcionários da WFP – e desde então a sorte parece mesmo ter virado para o cãozinho e todos à sua volta: sua saúde melhorou, seu humor inspirou todos ao seu redor, e o programa do qual passou a fazer parte venceu o mais importante prêmio humanitário do planeta.

Foxtrot passou a ter uma página própria no Instagram – onde celebrou o prêmio com um charmoso uivo de felicidade: “Woweee”. O post, porém, não se restrige ao som da alegria – e nele o cãozinho “refletiu” sobre a importância do prêmio.

“É claro que é incrível, mas seria ainda mais incrível se não precisássemos de prêmio para a paz, se a paz fosse o status quo no mundo”, Foxtrot “comentou”. E seguiu: “Mas eu e meus colegas sabemos que isso só será possível em um mundo sem fome (…) Obrigado a todos pelo apoio e por se juntarem a mim e a meus colegas no esforço para fazermos tudo que podemos para colocar comida na mesa das famílias enquanto trabalhamos por um mundo mais inclusivo e em paz”, diz o post.

 

 

 

 

Publicidade

© fotos: divulgação/WFP


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Ninguém é ‘normal’; animação estimula auto aceitação entre crianças