Debate

Professor de medicina da Santa Casa faz ‘black face’, diz frases preconceituosas e revolta alunos

por: Karol Gomes

O professor Ronald Pallotta, da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSC), foi acusado de racismo após utilizar uma máscara preta durante uma aula  online do 1º ano do curso de Ciências Médicas da Santa Casa, em São Paulo. A prática é conhecida como “blackface” não só pela caracterização de uma pessoa negra, como também por estereotipar e ofender. 

Os alunos filmaram a tela do computador com a aula do professor. Na imagem é possível ver que o médico usa uma máscara preta e fala de forma jocosa simulando um paciente do Sistema Único de Saúde (SUS). Pallotta aparece falando frases que, supostamente, um homem negro diria, como “eu não como essas comidas de fraco daqui do SUS” e “eu como comida de macho, você está entendendo?”

– Racismo para alugar imóveis: ‘procurar casa sem deixar a pessoa ver a minha foto’

Em entrevista ao G1, o docente se justificou dizendo que não tinha intenção de “expor conteúdo racista”. Segundo ele, a máscara foi uma “inocente e infeliz escolha”. A prática conhecida como “blackface” é considerada racista e ocorreu durante aula ministrada na terça-feira (6), pela internet.

– Plenária virtual de candidatas negras é invadida por ataques racistas: ‘Negro macaco’ e ‘brancos no topo’

“A aula que estava sendo exposta aos alunos deveria ser presencial e prática, diretamente com pacientes; por tal motivo me posicionei como ‘ator’ para melhor entendimento dos alunos, acrescendo conteúdo lúdico à explanação”, afirmou. Ainda de acordo com Pallotta, “a utilização da máscara tinha por finalidade apenas demonstrar que se tratava de uma encenação, sem qualquer referência à raça do personagem”.

A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo afirmou que “repudia veementemente qualquer ação de cunho racista ou preconceituoso” e determinou abertura de sindicância que pode resultar no afastamento do médico. “A Santa Casa de São Paulo repudia qualquer tipo de atitude discriminatória, machista e sexista”.

– Família de Marielle Franco cria agenda pública para candidaturas de todo o Brasil

Os alunos pretendem levar o caso ao Núcleo de Direitos Humanos da faculdade e ao Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp). 

Publicidade

Foto: Reprodução / Twitter


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Beijo entre menina de 13 famosa no TikTok e menino de 19 viraliza e levanta debate na web