Agenda Hypeness

Agenda Hype em Casa: Péricles, Monkey Jhayam, Cinema Negro e festivais mil

por: Gabriela Rassy

Se a arte nos ajudou a sobreviver até aqui, este Mês da Consciência Negra chega como levante. É a arte, a cultura e os necessários debates no seu ponto mais inclusivo e universal. Destaque para o lançamento de Péricles, relembrando o delicioso Art Popular, e para a união entre Monkey Jhayam e Afrocidade na potente e combativa faixa “2020 Volts”. Vale ainda chegar nas plataformas do MIS para acompanhar a 16ª edição da Mostra Internacional do Cinema Negro.

As lives seguem com festivais que vão do som erudito, com a Petrobras Sinfônica, até a música infantil no Musicar, do CCBB. Já o Somamos mostra a cara e a voz da cena independente e o Brasil Que Lê nossa literatura ampliada às questões indígenas, negras, periféricas, LBGTQIA+ e da nossa cultura tradicional.

Vem na minha!

#lives

2º Festival Online da Petrobras Sinfônica | Youtube
12 a 14 de novembro
Grátis
As mais variadas vertentes da música de concerto poderão ser apreciadas nesses três dias de festival, como o barroco, passando ainda pela raiz brasileira (Villa-Lobos), pelo repertório infantil (Arca Sinfônica – inspirado na obra de Vinicius de Moraes), chegando até ao universo pop (Ventura Sinfônico – versões clássicas para o repertório da banda Los Hermanos e Black Album – versões para as músicas da banda Metallica). Os músicos farão apresentações ao vivo, direto do Teatro Riachuelo, no Rio, seguindo todos os protocolos de segurança.

Somamos Festival | Vendas pelo Sympla
14 a 28 de novembro
Live a partir de R$ 14
Artistas independentes e jovens talentos brasileiros ganham um novo palco para apresentar o melhor da musicalidade do país. A primeira edição do festival, idealizado pelo Teatro Prudential, tem o propósito de incluir e trazer toda a diversidade cultural da nova cena musical independente para o palco do Teatro Prudential, em apresentações ao ar livre. Somando diversos ritmos e estilos, reúne 12 atrações em 8 dias de evento, traçando um roteiro original que vai da MPB ao soul, do reggae ao samba, sempre com novas experimentações.No line-up estão confirmados nomes como Chico Brown, Theo Bial e Quel, Duda Brack e Chico Chico, Mariana Volker, Beraderos, entre outros artistas que estão despontando na cena cultural. O festival será presencial, ao ar livre, além de contar com transmissão ao vivo.

Festival Brasil Que Lê
Até 28 de novembro
Grátis
O festival celebra a arte, a leitura e a literatura como um direito humano. A programação é composta por oito lives com debates, poesias, artes e músicas evidenciando esse Brasil indígena, negro, periférico, LBGTQIA+, da ciranda, do jongo, do carimbó, das bibliotecas comunitárias, dos movimentos sociais e culturais periféricos. Entre os convidados estão Bel Santos educadora social e coordenadora do Instituto Brasileiro de Estudos e Apoio Comunitário (Ibeac), Lia de Itamaracá mestra da cultura popular, rainha da ciranda e reconhecida como Patrimônio Vivo de Pernambuco, o escritor Daniel Munduruku e o cantor Chico César. Participam também representando às bibliotecas comunitárias: Maria Chocolate do Rio de Janeiro, Victoria Dias e Lilian da Conceição da Bahia, Fábio Rogério de Pernambuco, Natália Reis e Leydmilla Alves da Baixada Fluminense do Rio de Janeiro, Suilan de Sá e Cris Lima de São Paulo, Eduardo Peixoto de Porto Alegre e Alana Lima de Belém.

Rita Benneditto no Pocket Cultural Firjan SESI | Youtube da Firjan SESI
Quinta-feira, 12, 19h
Grátis
O espetáculo online traz a cantora maranhense Rita Benneditto acompanhada do multi-instrumentista, Fred Ferreira. A artista leva ao palco do teatro Firjan SESI Centro o show Acústico, em que mistura as canções mais populares de seus discos, incluindo o álbum aclamado pela crítica, Tecnomacumba. Na apresentação, Rita, uma das mais criativas e talentosas intérpretes da música brasileira contemporânea, apresenta um repertório que passeia pelos sons de tambores e cordas à perfeita introspecção do seu canto contido e emocionado. No setlist estão canções como Divino, Há Mulheres, Santa Clara clareou, Contra o Tempo e outras mais dançantes como Domingo 23, Banho de Manjericão, O conforto dos teus braços, A Deusa dos Orixás, Jurema, além do novo single, Amor Maior, composição feita durante a quarentena em parceria com Zé Américo.

Arte em Diáspora: Experiências Guinée Connakry, Tunisia e Brasil | YouTube
12 de novembro, quinta-feira, às 15h
A live tem como objetivo discutir sobre as estratégias que os artistas convidados encontram para dialogar com as imagens e visões de África, seja para questionar significados já consolidados, ou mesmo, para analisar velhos estereótipos advindos do racismo epistemológico que hierarquiza saberes, pessoas e países. O encontro será com a cantora, bailarina e compositora da Guinée Conacri, Fanta Kanotê e com o poeta, pintor, ator-dançarino e diretor Benjamin Abras, brasileiro que reside em Tunes (TUN).

Musicar – Festival de Música Infantil | Spotify e Youtube
Até 15 de novembro
on-line e totalmente gratuita
Dentro do projeto #CCBBemCASA, o maior festival de música infantil do país, o Musicar na Nuvem vai transmitir mais de 50 atrações voltadas para toda a família. Nesta sexta, tem show/Oficina Brincando com a Música com a Palhaça Rubra (Lu Lopes – SP) e Podcast Contando Histórias Negras (Grupo Ujima – RJ). Sábado rola Show/Oficina A Roda Viva do Brincar (Tião Carvalho – MA) e Oficina O Ritmo do Meu Corpo (MUSICOPAI – MG), além do show Samba de Côco Erêmin (Grupo Samba de Côco Erêmin e Mestre Assis Calixto – PE). Domingo a programação encerra com Brincando o Brasil – Pernambuco (Histórias de Brincar – RJ), oficina Criaturas Instrumentosas e Máscaras Sonéticas (Adriano Castelo Branco – SP) e concerto Projeto Bem Me Quer Paquetá (Orquestra Jovem Paquetá e Tim Rescala – RJ) – Youtube (Atividade com libras e audiodescrição)

#lançamentos

Monkey Jhayam feat. Afrocidade | 2020 Volts
O pagodão baiano vai de encontro ao ghettotech, rock, global bass e ao discurso político e social de Monkey Jhayam. Quem faz a cama sonora para o os versos conscientes do símio são o DJ B8 e o poderoso Afrocidade. Bang! A letra denuncia a onda de informações falsas que se espalham facilmente através de mensagens via celular, manipulação de dados e todo o fluxo de rede coletado por empresas mal intencionadas que visam controlar a massa. Massa essa, que inclui todos os cidadãos. “Tô no meio do moio também”, cantam Monkey Jhayam e MC DO, vocalista do combo baiano Afrocidade.

Péricles | Mal Acostumado
O cantor acaba de divulgar o quarto EP do álbum “Tô Achando Que é Amor”, com destaque para a música “Mal Acostumado”, clássico do grupo Ara Ketu lançado em 1998. A faixa chega também com um videoclipe gravado no terraço de um prédio antigo, na região central de São Paulo.

In Venus | Ansiedade
“Felicidade instantânea trazida por abismos absolutos, uma ideia de falso controle e uma gigante vontade de mostrar ao mundo o que não se é” – assim começa o manifesto que irá acompanhar Sintoma, próximo álbum de estúdio do grupo paulistano de post punk In Venus. Inaugurando o sucessor do elogiado disco Ruína (2017), Ansiedade é mostrada ao público com videoclipe soft gore que aponta diretamente para uma sociedade que precisa ser curada.

Edi Rock | Origens Parte 2 – Ontem, Hoje e Amanhã
O rapper Edi Rock lança mais um capítulo de sua carreira solo. Após o sucesso do álbum “Origens” (2019), no qual o artista passeou por diferentes sonoridades, Edi apresenta agora o potente “Origens Parte 2 – Ontem, Hoje e Amanhã”, pela Som Livre. Retornando às suas raízes no rap em 15 faixas, com letras fortes e batidas bem marcadas – atributos já tão característicos de seu trabalho -, o disco apresenta um caráter bastante autoral e traz ainda participações especiais de um time de artistas talentosos, como Thiaguinho, MV Bill, Jorge Du Peixe e Lourena, mesclando veteranos e novos talentos da cena. Junto ao lançamento do álbum chega também o clipe da música “Origens Parte 2”, faixa-foco que dá nome ao disco, cujas rimas apresentam um mix de essência autobiográfica com referências comuns à realidade das pessoas negras no Brasil.

#filmes

16ª edição da Mostra Internacional do Cinema Negro
10 e 15 de novembro
Grátis

Mostra chega à sua 16º edição anual, desta vez em formato online, na plataforma digital do MIS no Vimeo, e promove a exibição de curtas, médias e longas-metragens que realizam um esforço pela construção da imagem de afirmação positiva do afrodescendente e das minorias. A abertura, dia 10.11, às 19h, conta com a apresentação da cantora Fabiana Cozza e de um vídeo sobre a Mostra e os homenageados desta edição, seguidos da exibição do curta Tem um passado no meu presente (dir. Joel Zito Araújo, Brasil, 2017, 19’45”, livre). De 11 a 14.11, quarta a sábado, serão exibidos quatro programas compostos por diversos curtas e médias-metragens, além de um longa, e todos ficam disponíveis na plataforma do MIS no Vimeo até as 23h59 do respectivo dia. No sábado, 14.11, em parceria com o programa Bate-Papo de Cinema Pontos MIS, será exibido o recente média-metragem Vaga carne (inscrição por meio deste link a partir de 12.11), dirigido por Grace Passô e Ricardo Alves Júnior, seguido de bate-papo às 18h no canal do MIS no Youtube. Já no domingo, 15.11, encerramento da Mostra, todos os filmes da seleção oficial ficam disponíveis durante todo o dia na plataforma Vimeo.

#gastronomia

Menu Comemorativo Veridiana
A Veridiana completa duas décadas e para celebrar lança um menu comemorativo que ficará disponível só até o final do ano. O novo cardápio revela o olhar sempre voltado à frente, sem deixar de lado a essência de fazer pizza à moda de Nápoles. Para começar, o menu apresenta o Pão de Escarola, preparado na casa com escarola, pinole e uva passa, servido com Tapenade de Azeitonas. Também como opção de entrada, a Burrata in Calzoni, envolta pela massa de pizza da casa – feita a partir de longa fermentação –, é assada em forno a lenha e servida com pesto. Entre as pizzas, a Forza Azurra combina blue cheese e fatias de figo seco sobre molho de tomate, enquanto a Fonduta Bianca e a Pizza al Pesto não escondem as pitadas de inovação – ambas feitas sem molho de tomate. Para finalizar, a pedida fica para a Torta Veridiana, feita com massa de cacau, creme de mascarpone e calda de chocolate amargo. O cardápio comemorativo estará disponível tanto para delivery, quanto para consumo nas três casas da Veridiana.

Veridiana

#podcast

Mamilos | Inclusão pra quem?
O Brasil tem 45 milhões de pessoas com deficiência segundo CENSO de 2010. Se 15%, ou 1 em cada 7 brasileiros, têm alguma deficiência, por que a cidade não está adaptada para receber a todos? Por que, mesmo com leis de incentivo, o mercado de trabalho ainda oferece poucas oportunidades? Por que o acesso à educação é repleto de barreiras? O que sustenta todas essas falhas é a visão de que essas pessoas importam menos, almejam menos, são capazes de menos. É por isso que hoje a gente quer saber: a quem interessa a inclusão? Para responder a essa pergunta, vamos conhecer histórias de pessoas que apesar de todas essas limitações da sociedade vivem trajetórias plenas de potências ao lado de Mariana Torquato, do canal Vai Uma Mãozinha Aí? e Katya Hemelrijk, Consultora Especialista em Diversidade e Inclusão, Trainer e Palestrante.

Atlântico Negro
O Podcast Atlântico Negro é uma iniciativa de jovens intelectuais negros. Neste #002 episódio o programa fala sobre a trajetória de suas Mulheres Negras no Espaço Acadêmico. Contando com a participação das Professoras Doutoras, Ana Flávia Magalhães Pinto e Ynaê Lopes dos Santos, teremos a oportunidade de conhecer pontos cruciais que envolvem a construção e o desenvolvimento da figura de uma intelectual negra. Como por exemplo o papel da família na educação, o processo de ingressar e se manter na universidade e a importância da construção de redes de solidariedade. Venha com a gente nessa conversa.

#literatura

Levante, de Henrique Marques Samyn
O libro reúne 75 poemas que abordam a trajetória do povo negro no Brasil.  Dividida em seis partes (“Desterro”, “Cativeiro”, Ancestralidade”, “Resistência”, “Herança” e “Liberdade”), a obra aborda desde o desterro imposto pelo tráfico negreiro até a resistência contra o sistema escravista, chegando às heranças contemporâneas e à contínua luta por libertação. Produto de uma pesquisa rigorosa, desenvolvida ao longo de cinco anos por Henrique Marques Samyn, professor de literatura da UERJ e militante negro, Levante tematiza desde aspectos mais conhecidos do período escravista (como a travessia nos “tumbeiros” e ícones da resistência como Zumbi, Dandara e Luiza Mahin) até práticas menos conhecidas (como a proibição de que negros escravizados calçassem sapatos ou o suplício imposto por instrumentos como a golilha e a gargalheira), evocando ainda figuras esquecidas (como mulheres escravizadas que reagiram contra seus senhores e quilombolas menos conhecidos, como Lucas Dantas e Canção-de-Fogo). Chegando à contemporaneidade, Levante aborda a marginalização e a criminalização do povo negro e as consequências da violência policial; não obstante, sua seção final aponta para uma ainda sonhada liberdade.

Sagatrissuinorana, de João Luiz Guimarães
O mineiro João Guimarães Rosa (1908-1967), além de médico e diplomata, foi um dos maiores escritores do século 20. Criador de uma prosa poética desconcertante e inovadora, deu alcance universal ao movimento literário regionalista iniciado na década de 30 por autores como Graciliano Ramos, Rachel de Queiroz, José Lins do Rego, Jorge Amado e Érico Veríssimo. O deslumbramento provocado por seu estilo originalíssimo nunca se furtou, contudo, a aliar uma dimensão crítica profunda da violência atávica entranhada na decantada cordialidade brasileira. O livro Sagatrissuinorana é uma homenagem a esse autor tão fundamental e reconta a fábula dos Três Porquinhos, mas tendo como pano de fundo o rompimento das barragens de Mariana e Brumadinho. O texto segue a sintaxe roseana, ao mesmo tempo em que não se furta a registrar criticamente duas das maiores tragédias socioambientais do país — e que tiveram as Minas Gerais como palco.

#cênicas

Bertoleza, da Gargarejo Cia Teatral | Facebook e Instagram
13, 20 e 27 de novembro, às sextas-feiras, às 21h
Grátis – é preciso preencher um formulário disponível sempre nas segundas-feiras anteriores às apresentações nas redes sociais do grupo
Após uma temporada de sucesso no Sesc Belenzinho, o musical , faz três apresentações presenciais e online no Teatro Arthur Azevedo nos dias celebrando o Mês da Consciência Negra. A montagem, com adaptação, direção e músicas de Anderson Claudir, que também assina a dramaturgia ao lado de Le Tícia Conde, é inspirada no livro “O Cortiço”, clássico naturalista de Aluísio Azevedo. Mas, desta vez, o público conhece a história sob ponto de vista da Bertoleza, uma mulher negra que é tão importante para a construção do romance quanto o próprio João Romão, o protagonista original. Na trama, o oportunista Romão propõe uma sociedade à escrava Bertoleza, prometendo comprar a alforria dela. Eles começam uma nova vida juntos e constroem um pequeno patrimônio formado por um enorme cortiço, um armazém e uma pedreira. Depois de acumular capital considerável, o ambicioso João Romão já não sabe mais como se tornar mais rico e poderoso. Envenenado pelo invejoso Botelho, ele decide se casar com Zulmira, a filha de Miranda, um negociante português recentemente agraciado com o título de barão. Mas, para isso, precisa se livrar da amante Bertoleza, que trabalha de sol a sol para lutar pelo patrimônio que eles construíram juntos.

Projeto XIX Ano 19: Crise e Insurreição | Zoom
Entre os dias 12 e 22 de novembro
Grátis
Considerado uma das companhias mais importantes em São Paulo, o Grupo XIX de Teatro completou 19 anos de trajetória em 2020. Por conta da pandemia, a trupe precisou adiar suas comemorações. No entanto, para não deixar a data passar em branco, o coletivo preparou o Projeto XIX Ano 19: Crise e Insurreição, uma mostra com os experimentos cênicos criados em seus núcleos de pesquisa orientados por Janaina Leite, Juliana Sanches, Luiz Fernando Marques, Rodolfo Amorim e Ronaldo Serruya. Cada espetáculo tem duas apresentações por meio da plataforma Zoom.

#cursos

Economia Criativa na Música: sistemas e processos para o tempos de crise
De 9 a 13/11
Grátis
O SEBRAE do Maranhão oferece uma semana de imersão na cadeia produtiva da música. Preocupado com a marginalização e a falta de espaços físicos para o fortalecimento da cadeia produtiva do mercado musical, a atividade imersiva convida a produtora e jornalista Verônica Pessoa para fazer a curadoria e mediar debates e conversas importantes entre artistas, músicos, produtores e empreendedores culturais de todo o Brasil.

Publicidade


Gabriela Rassy
Jornalista enraizada na cultura, caçadora de arte e badalação nas capitais ensolaradas desse Brasil, entusiasta da cena musical noturna e fervida por natureza.


X
Próxima notícia Hypeness:
Por trás das mortes de mães em filmes da Disney existe uma história real e trágica