Debate

Eleição nos EUA: 1ª senadora trans, legalização da maconha, cogumelos mágicos e fim de símbolo racista

por: Redação Hypeness

As eleições nos Estados Unidos têm mostrado resultados inesperados, ou pelo menos desagradáveis, do ponto de vista do atual presidente, Donald Trump. Enquanto a escolha dos americanos para o cargo mais importante do país não sai – já que a contagem de votos, feita inclusive pelo correio, exige bastante tempo de apuração – outros resultados têm chamado atenção da mídia.  

A começar pela decisão dos eleitores do Mississippi, que aprovaram nesta terça-feira (3) uma nova bandeira, com uma magnólia e a inscrição ‘In God We Trust‘ (‘Confiamos em Deus’, em tradução livre).

Joe Biden, candidato do partido democrata à presidência

– Após pressão popular, Bolsonaro revoga decreto para privatização da atenção básica

Criada após o estado sulista retirar sua antiga bandeira, que tinha o símbolo confederado, ela agora foi ratificada pela população. Com um longo passado segregacionista, o Mississippi foi o último estado americano a abolir o símbolo racista em sua bandeira. A Geórgia o eliminou da sua em 2003.

Por décadas o símbolo causou divisão em um estado com significativa população negra (cerca de 38%). Em 2001, a maioria dos eleitores haviam optado por manter a antiga bandeira. Ela tinha a cruz azul na diagonal, com 13 estrelas brancas em um fundo vermelho, há 126 anos.

Donald Trump busca reeleição em pleito mais disputado da história

– OMS coloca América do Sul como epicentro do coronavírus e Trump veta voos do Brasil

O símbolo representa os estados do sul, que eram contrários à abolição da escravidão na Guerra Civil americana (1861-1865), e hoje é usado por grupos racistas e supremacistas brancos. 

Claro que Trump negaria qualquer ligação ou apoio a tais movimentos, mas estes são os seus principais apoiadores nessa eleição e também o principal risco de revolta dependendo do resultado nas urnas

A bandeira de Mississipi com dizeres de apoio a Trump estampados, sendo queimada em um protesto

– Jornalista agredida em protesto contra quarentena faz BO e diz que não vai parar

A bandeira foi abolida em meio a protestos contra o racismo e a violência policial em todo o país e críticas de conotações racistas.O movimento ganhou força após o assassinato de George Floyd, que morreu após um policial pressionar o joelho contra seu pescoço por quase nove minutos.

Legalização da maconha 

Enquanto isso, em Nova Jersey, depois de anos de erros legislativos, a população votou por autorizar o uso legal de maconha recreacional. Isso acontece em um ano em que os apoiadores se reuniram em torno do número desproporcional de prisões pela droga em comunidades minoritárias.

– Trump perde briga com a ciência e admite a gravidade do coronavírus. O que mudou?

A questão da votação foi aprovada como esperado, por uma ampla margem, de acordo com resultados preliminares da agência Associated Press. A votação permite que os funcionários de Nova Jersey comecem o processo espinhoso e potencialmente longo de estabelecer regras relacionadas à regulamentação e teste de cannabis e emissão de licenças, incluindo quantas permissões conceder – e para quem.

Uso recreativo da maconha é autorizado em Nova Jersey

Cogumelos mágicos 

Já Oregon, na costa oeste dos Estados Unidos, se tornou o primeiro estado do país a descriminalizar a posse e o uso de pequenas quantidades de diversas drogas, incluindo maconha, cocaína e a heroína.

– Democracia cancelada: censura e violência nas eleições americanas

A partir de agora, quem for flagrado em posse dessas substâncias poderá pagar uma multa de cerca de US$ 100 (cerca de R$ 565) ou fazer uma consulta médica gratuita para se livrar do vício, sem previsão de prisão.

Outros cinco estados dos EUA decidiram ontem, também em plebiscito, liberar o uso de maconha. Sendo eles: Arizona, Nova Jersey, Montana (uso recreativo), Mississipi (uso medicina) e Dakota do Sul (ambos). Os plebiscitos ocorreram concomitantemente à eleição presidencial entre o democrata Joe Biden e o republicano Donald Trump, que ainda segue indefinida.

– A expansão do neonazismo no Brasil e como ele afeta as minorias

1ª senadora trans da história dos EUA 

Em Delaware, o progresso tem nome: Sarah McBride está se elegendo como a primeira senadora trans na história dos Estados Unidos. Para conquistar o cargo, os votos para McBride venceram o republicano Steve Washington. 

Sarah McBride, a primeira senadora trans eleita na história dos Estados Unidos

McBride, 30, trabalhou como secretário de imprensa do grupo de defesa de direitos LGBTQ da Campanha de Direitos Humanos e foi estagiária na Casa Branca do presidente Obama. 

– Não há dilema: redes sociais estão matando o sexo, a democracia e a humanidade

“Espero que esta noite mostre a uma criança LGBTQ que nossa democracia também é grande o suficiente para ela”, McBride tweetou depois do anúncio de sua vitória. 

O anúncio marca o final do mandato – talvez o primeiro mandato – de Trump, que dificultou o acesso de pessoas trans a banheiros públicos de acordo com o gênero que se identificam e proibiu até mesmo o alistamento nas forças armadas dos Estados Unidos.

Publicidade

Fotos: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Disney é criticada por holograma projetado no Pão de Açúcar: ‘Não seja pateta’