Inovação

Empresa francesa desenvolve máscara biodegradável ‘de maconha’ contra covid-19

por: Vitor Paiva

Já é mais do que comprovado que o uso medicinal da maconha é capaz de salvar vidas, mas uma empresa francesa ampliou ainda mais tal sentido, a partir não do canabidiol ou outros medicamentos fabricados com óleo da planta, mas sim de sua fibra: a marca Geochanvre utiliza o cânhamo, fibra da planta da maconha, para produzir máscaras biodegradáveis e ‘compostáveis‘ capazes de nos proteger da covid-19 enquanto também protege o meio-ambiente.

Segundo a empresa, trata-se da primeira máscara ‘compostável’ de toda a Europa, e seu desenvolvimento visa não só proteger a população do novo coronavírus, como também reduzir a poluição plástica e os produtos de polietileno – que levam séculos para decompor.

A preocupação não é exagero: de acordo com estudo publicado da revista científica Environmental Science and Technology estima-se que na atual pandemia cerca de 129 bilhões de máscaras descartáveis e 65 bilhões de luvas estão sendo usadas mensalmente. A maioria desses equipamentos é feita com materiais plásticos, e as máscaras que acabam nos oceanos podem levar até 450 anos para desaparecerem.

Foi para tentar amenizar esse trágico efeito colateral da pandemia atual que Frédéric Roure, presidente e fundador da Geochanvre, desenvolveu as máscaras feitas com o cânhamo.

Frederic Roure, fundador e presidente da Geochanvre

“É uma heresia não banir os produtos feitos com polietileno, material que é enviado para todos os cantos do planeta. Usemos produtos de agricultura local”, diz Roure. “Esse úm produto natural que irá retornar para o solo”, comenta sobre sua máscara.

A produção das máscaras de ‘hemp’ inclui fibras de milho em sua mistura e o elástico é feito com material reciclável.

Até aqui a maioria dos compradores das máscaras ‘de maconha da Geochanvre são da Europa e do Canadá, mas a ideia é expandir a exportação para todo o mundo – desde março, no início da pandemia, mais de 1,5 milhão de máscaras da marca já foram vendidas.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Quando as crianças dominaram o mundo: uma sociedade paralela que parece saída da ficção