Design

Esses brinquedos sexuais com rostos felizes são tão lindos que mais parecem objetos de decoração

por: Redação Hypeness

Brinquedos sexuais que você não precisa esconder. É assim que o estúdio de arte Reborn Design, do Vietnã, define sua nova coleção de dildos — e está correto na afirmação. Os apetrechos, chamados de Dildolls — um trocadilho com as palavras “dildo” e “dolls”, “consolo” e “bonecos” em português — mais parecem objetos de arte próprios para a decoração de ambientes do que para dar prazer. 

Lily Allen promove masturbação feminina e lança vibrador em parceria com sex shop

Além de lindos, os Dildolls vêm em caixas igualmente artísticas e feitas à mão.

Os objetos possuem diferentes formatos, cores e até rostos felizes. Há os mais coloridos, com tons de laranja, verde e azul, e os mais sóbrios em preto e branco. Também há aqueles que misturam um pouco das duas tonalidades. Todos os modelos são feitos à mão, em madeira, e embalados em caixas elegantes que, mais uma vez, reforçam o caráter artístico do produto. 

Terapia orgástica: gozei 15 vezes seguidas e a vida nunca mais foi a mesma

Esses dildolls, como o sexo, deve ser lúdicos e artísticos. Eles vêm em todas as formas e tamanhos, como a natureza pretendeu que fossem”, diz o site da empresa. “Normalmente, consolos são objetos que você prefere esconder ou dizer que não tem. Mas não esses. Nós queremos que você os exponha para o mundo!

Os preços dos brinquedos variam entre US$ 100 e US$ 150, algo entre R$ 539 e R$ 808. Os pedidos podem ser feitos através do site do estúdio baseado em Saigon, capital do país asiático. 

Esses relatos sexuais femininos muito honestos postados no Twitter deixaram os caras com a pulga atrás da orelha

Veja outras imagens dos Dildolls:

Publicidade

Fotos: Reborn Design


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Uno Minimalista: Mattel lança, no Brasil, versão do jogo criada por designer cearense