Estilo

Jessie Knight: a história da 1ª mulher tatuadora do Reino Unido

por: Redação Hypeness

Jessie Knight desistiu da promissora carreira como tatuadora quando se casou, aos 27 anos, porque o marido não aprovava a profissão. Anos mais tarde, o casamento terminou depois que ela atirou nele — sem intenção de matar — quando ele chutou o cachorro do casal escada abaixo. O fim da relação fez Jessie voltar para a arte em que foi vanguardista e a tornou popular nos anos 1940.

20 tatuadoras muito f*das provam estúdio de tattoo é sim lugar de mulher

Mulher grita enquanto Jessie Knight faz tatuagem no ombro dela. A foto é de 1951.

A tatuadora nasceu em 1904, filha mais velha em uma família de oito irmãos. Seu pai era marinheiro e a mãe, “louca”, nas palavras dela. Sabe-se que, ao atirar no marido, ela não tinha como objetivo matá-lo porque Jessie foi, por anos, atiradora de circo. 

Naquela época, trabalhar neste ramo, especialmente sendo mulher, não era visto com bons olhos. Mas Jessie era uma mulher à frente de seu tempo e não costumava fazer o que lhe diziam ou o que achavam moralmente aceitavam para alguém do sexo feminino. 

Ela costumava ler livros atrevidos para as crianças da família para animar os pais”, diz Neil Hopkins-Thomas, seu sobrinho-neto. “Ela era uma personagem cheia de histórias e aventuras”, conta. 

Conheça Maud Wagner, a primeira mulher tatuadora dos EUA

Alguns dos desenhos feitos por Jessie Knight.

O trabalho da tatuadora está em exposição no National Maritime Museum Cornwall, na Inglaterra, em uma exposição sobre a história social da tatuagem na Grã Bretanha. 

Na melhor das hipóteses, as tatuagens eram desprezadas como uma arte inferior desfigurante; na pior, eram uma marca de criminalidade”, explicam os curadores da mostra, Matt Lodder e Derryth Ridge, em entrevista ao “Guardian”.

Quando seu talento começou a ficar conhecido, Jessie foi roubada uma série de vezes, tendo perdido não só dinheiro, mas também projetos pessoais que guardava. Chegou a ser inclusive caluniada: além de ser chamada de prostituta, como se fosse algo não digno, ainda sofreu com alegações de que o material que utilizava para tatuar não era esterilizado. 

A mulher de 100 anos que virou lenda por dedicar toda a vida à tatuagem tradicional de sua tribo

A tatuagem feita por Jessie Knight que levou o segundo lugar em um concurso na Inglaterra.

Em 1955, ela concorreu ao prêmio Tattoo Artist of All England (“Tatuador de toda a Inglaterra”, em tradução livre) e terminou em segundo lugar. Seu sobrinho acredita que ela só não ganhou o prêmio principal por ser mulher. 

Jessie parou de tatuar na metade dos anos 1960, embora tenha continuado a tatuar amigos e familiares na sala de sua casa. Quando morreu, aos 90 anos, deixou para a mãe de Neil sua coleção de desenhos e os poemas que guardou ao longo dos anos. Sua importância na história acabou se perdendo um pouco pelo tempo, até por uma característica dela mesma. A primeira tatuadora mulher do Reino Unido não costumava espalhar sobre seu talento e sobre suas conquistas. 

Acho que as pessoas olhavam para ela e pensavam: ‘Aquela mulher estranha’, sem saber o que ela tinha feito na vida”, diz Neil. “Eles sempre ficavam absolutamente pasmos quando descobriam.

Jessie Knight posa com uma tatuagem do brasão de sua família nas costas.

 

Publicidade

Destaques: Jessie Knight Archive e National Maritime Museum Cornwall // Foto 1: Getty Images / Fotos 2, 3 e 4: Jessie Knight Archive e National Maritime Museum Cornwall


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Ingrid Silva surge exuberante em nova capa da Vogue: ‘Tem sido bonito’