Arte

‘Marighella’ dribla censura e estreia em cinema de Salvador

Vitor Paiva - 24/11/2020 | Atualizada em - 25/11/2020

O mais temido, controverso, emblemático, amado e odiado guerrilheiro brasileiro na luta contra as ditaduras brasileiras era baiano, nascido em Salvador: não é por acaso, portanto, que o nome de Carlos Marighella seja parte recorrente da história política da capital da Bahia. Depois de sua neta, Maria Marighella, ser eleita vereadora pela cidade, o filme dirigido por Wagner Moura e que conta a história do político, escritor e guerrilheiro que fundou a Aliança Libertadora Nacional e foi declarado o “inimigo número um” do regime militar finalmente chega aos cinemas em Salvador, superando cerca de um ano de atraso em seu prazo de lançamento original.

Seu Jorge em cena do filme © Divulgação/Globo Filmes

Marighella” é a estreia de Moura na direção, e tinha o lançamento marcado para novembro de 2019, mês em que o assassinato do líder guerrilheiro por agentes do DOPS completaria 50 anos. Segundo o diretor, a maneira que a Agência Nacional de Cinema (Ancine) do atual governo federal encontrou para censurar o filme foi por meios burocráticos, impedindo a estreia através da demora na liberação e no cumprimento de determinações e exigências. Antes de estrear no Brasil o longa-metragem já passou por cinco festivais internacionais, incluindo destaque no prestigiado Festival de Berlim.

Moura e o elenco do filme no Festival de Berlim, no ano passado © Getty Images

A obra é estrelada por Seu Jorge no papel principal, e traz também no elenco nomes como Bruno Gagliasso, Adriana Esteves, Herson Capri e Humberto Carrão. “Marighella” vem tendo sessões especiais no Espaço Itaú de Cinema – Glauber Rocha, em Salvador, desde o último dia 19, que seguem até dia 25 de novembro como parte da celebração da Semana da Consciência Negra. O filme é baseado na biografia de mesmo nome, escrita por Mario Magalhães, e se baseia principalmente nos últimos anos da vida do ex-deputado federal, quando Marighella partiu para a clandestinidade e a luta armada na luta contra a ditadura militar no Brasil.

Carteira de Marighella de membro do Partido Comunista do Brasil © Wikimedia Commons

Herói ou terrorista, libertário ou criminoso, a mística ao redor do personagem é tamanha que até Jean-Paul Sartre, um dos mais importantes filósofos do Século XX, publicou textos do brasileiro em sua revista “Les Temps Modernes”. A pandemia evidentemente atrasou novamente o lançamento da estreia de Wagner Moura na direção, mas uma nova data de estreia para o resto do país foi confirmada – e “Marighella” chegara às telas brasileiras em 14 de abril de 2021.

Assista ao trailer de ‘Marighella’: 

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.


Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Aziza: uma editora que só publica autores negros criada por quem entende do mercado