Debate

Negros morrem mais por transfobia e Brasil vive ausência de dados sobre população LGBT

por: Redação Hypeness

Dados colhidos pelo Instituto Internacional sobre Raça, Igualdade e Direitos Humanos (International Institute on Race, Equality and Human Rights – IREHR) mostrou que cerca de 82% das pessoas trans assassinadas no Brasil são negras. O estudo, que reúne dados consolidados sobre transfobia no Brasil e entrevista vítimas da violência transfóbica, ressalta que além do preconceito de identidade de gênero, a população LGBTQIA+ no Brasil sofre com o fator racismo.

– Autores se demitem de editora de JK Rowling após empresa não se posicionar sobre transfobia

Pessoas trans e não binárias lutam por respeito e por uma sociedade sem LGBTfobia

Negros morrem mais em país que mais mata trans no mundo 

O relatório produzido aponta que boa parte da violência transfóbica perpetrada no Brasil tem como vítimas mulheres trans negras, grupo altamente marginalizado na sociedade brasileira. Nosso país, aliás, é o que mais mata pessoas trans no mundo.

“O Brasil é um país extremamente desigual, hierarquizado e autoritário, constituindo-se, dessa forma, como um ambiente em que o racismo e a LGBTIfobia, imbricados com outros eixos de dominação, como o machismo e a dominação de classes, pulverizados nas instituições do Estado e nas relações sociais”, analisa o estudo.

A violência nem sempre se demonstra no puro, simples e claro assassinato. Aqui no Hypeness, contamos a história de Demétrio Campos, jovem trans que se suicidou. A mãe de Demétrio conversou conosco sobre as dores da transfobia e do racismo, que vitimaram seu filho.

Leia mais: Mãe de Demétrio Campos fala como a alegria de viver do filho foi abreviada pelo racismo e transfobia

A transfobia ameaça mais a vida de pessoas negras

Um dos principais desafios do estudo foi encontrar dados suficientes para chegar a conclusões específicas. Entretanto, a falta de coleta de dados sobre mortes por homofobia e transfobia é comum, indicando uma dificuldade para mapear as vítimas dessas violências. E, claro, o caráter homofóbico que ainda permeia na sociedade brasileira.

“A falta de dados sobre as vidas e as mortes da população LGBTI negra funciona como um mecanismo que cristaliza hierarquias, que distribui graus de (in)visibilidade, que cria processos de (des)humanização, que consagra quem é sujeito de direito e digno de proteção e quem é objeto de um quadro sistemático de violações de direitos humanos invisibilizadas”, atesta o documento do Instituto Internacional sobre Raça, Igualdade e Direitos Humanos.

– Sikêra Jr. é condenado por transfobia contra modelo trans: ‘Raça desgraçada’

Por fim, a análise exige que instituições públicas tenham atendimento direcionado a essa população. “Percebe-se o enorme descompromisso político com as vidas LGBTI, em especial as negras, que são as mais afetadas negativamente pela ausência de medidas para a proteção de seus diretos e promoção da igualdade”, afirma o estudo.

Clique aqui para acessar o report completo.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Herdeira da Disney diz que ‘tinha vergonha do sobrenome’ ao falar de doação milionária