Diversidade

Primeira dançarina transexual de grupo divulgado por Cardi B é marco no funk brasileiro

por: Karol Gomes

O Bonde das Maravilhas, que lançou sucessos do funk e teve até música dançada poir ninguém menos do que a rapper norte-americana Cardi B, segue a todo vapor. E agora com uma nova integrante, a transexual Bruna Lopes, de 21 anos, que faz hisrtória ao se juntar  às outras quatro integrantes: Thammy Maravilha, Laryssa Maravilha, Renatinha Maravilha e GG Maravilha. Com informações do Extra. 

– As Bahias e a Cozinha Mineira jorra o leite mau na cara dos caretas em novo single

Capixaba, Bruna já era sucesso nas redes sociais onde conta com mais de 100 mil seguidores apenas no Instagram. A nova membra do Bonde das Maravilhas também possui um canal no YouTube com aulas de coreografias, em especial a do quadradinho de oito – que virou uma das marcas do grupo de meninas. Desde o surgimento, conjunto teve algumas mudanças em sua formação.

– Funcionários denunciam Loja Três por racismo, gordofobia e assédio moral

Primeira dançarina transexual de grupo divulgado por Cardi B é marco no funk brasileiro

– Após 28 anos, OMS deixa de considerar transexualidade transtorno mental

O Bonde das Maravilhas, que surgiu no Rio de Janeiro em 2011, ficou conhecido nacionalmente dois anos depois de sua criação com as músicas ‘Quadradinho de Oito‘ e ‘Aquecimento das Maravilhas‘. Depois ainda vieram ‘Novo movimento’ e ‘Efeito Dominó“, esta dançada por Cardi B no vídeo postado para seus mais de 70 milhões de seguidores.

– A evolução de mulheres transexuais no cinema é um marco de representatividade

O sucesso de Bruna Lopes mostra que o funk, mesmo com alguns erros no percurso, sempre esteve em busca da diversidade. E bem longe do preconceito, que, aliás, tentam colar no ritmo que é a cara do Brasil. Sucesso é o que desejamos ao Bonde das Maravilhas! 

O trecho com Cardi B cantando uma música do grupo brasileiro:

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.


X
Próxima notícia Hypeness:
Senado derruba portaria da Fundação Palmares que exclui personalidades negras