Arte

Arte rupestre: ‘Capela Sistina pré-histórica’ é descoberta nos confins da selva amazônica

por: Redação Hypeness

Uma coleção impressionante de arte rupestre foi descoberta no meio da Floresta Amazônica. Chamada de “Capela Sistina pré-histórica”, a área com os desenhos se estende por quase 13 quilômetros em território colombiano. Arqueólogos acreditam que haja ali dezenas de milhares de pinturas de até 12.500 anos atrás. 

Cientistas descobrem gravuras rupestres que podem dar pistas de civilização perdida

A descoberta foi feita por uma equipe formada por cientistas britânicos e colombianos ainda no ano passado, mas só foi revelada agora. A pesquisa foi financiada pelo European Research Council e liderada pelo professor José Iriarte, da Universidade de Exeter. Imagens dos desenhos serão exibidas no documentário “Jungle Mystery: Lost Kingdoms of the Amazon”, de uma rede de televisão britânica, ainda este mês. 

Artista disponibiliza cartilha gratuita que ensina a fazer tintas naturais

Pesquisadores estimam essa data por conta dos animais que aparecem na arte rupestre. Há mastodontes, por exemplo, animal pré-histórico que se assemelha a um elefante e que não existe há mais de 12 mil anos. Acredita-se que essas pinturas tenham sido feitas pelos primeiros humanos que habitaram a região, no sítio arqueológico Serranía La Lindosa, que fica no Parque Nacional Chiribiquete

Quando você está lá, suas emoções apenas fluem. Estamos falando sobre várias dezenas de milhares de pinturas. Vai levar gerações para registrá-las. Para cada lado que você olha, é uma nova parede com pinturas”, celebrou Iriarte sobre os desenhos que mostram, ainda, pessoas dançando, pássaros, peixes e outras cenas do cotidiano pré-histórico. 

Estas podem ser as imagens de cachorros mais antigas de que se tem notícia

Começamos a ver animais que já estão extintos. Os registros são tão naturais e tão bem feitos que temos poucas dúvidas de que você está olhando para um cavalo, por exemplo. O cavalo da Era do Gelo tinha um rosto selvagem e pesado. É tão detalhado que podemos até ver o cabelo do cavalo. É fascinante.

Ella Al-Shamahi, apresentadora do documentário, conta como ficou impressionada ao ver as pinturas rupestres. “Uma das coisas mais fascinantes foi ver a megafauna da Era do Gelo porque é um marcador temporal. Não acho que as pessoas percebam que a Amazônia mudou na aparência. Nem sempre foi essa floresta tropical. Quando você olha para um cavalo ou mastodonte nessas pinturas, é claro que eles não viveriam em uma floresta. Eles são muito grandes. Eles não estão apenas dando pistas sobre quando foram pintados por algumas das primeiras pessoas, mas também estão dando pistas sobre como este local poderia ser: mais parecido com uma savana.

Publicidade

Destaques: José Iriarte/Universidade de Exeter // Foto 1: Ella Al Shamahi / Fotos 2, 3, 4 e 5: José Iriarte/Universidade de Exeter / Foto 6: Marie-Claire Thomas


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Agenda Hype em casa: programação online de feriado no clima de celebração da vacina