Debate

Depois da ‘Corona Trance’, rave clandestina batizada de ‘Epidemia’ é barrada pela PM

Redação Hypeness - 28/12/2020

“Deboche”. Foi assim que o promotor de Justiça Wanderley Trindade classificou o nome de uma rave clandestina, que estava prevista para acontecer entre a tarde de sábado (26) e a noite deste domingo (27), em Ribeirão Preto (SP). A realização da “Epidemia Trance” foi impedida por agentes da Guarda Civil Metropolitana (GCM), da Polícia Militar (PM) e da Vigilância Sanitária.

“É deboche. A primeira que nós impedimos era o “Corona Trance”. Mas isso é bom, porque agrava a pena, porque a pessoa está querendo confrontar os órgãos de fiscalização, um total desrespeito”, disse, em entrevista ao G1. Já os responsáveis pelo evento, que tinha uma lona decorativa com o nome “Epidemia”, ainda não comentaram o assunto. 

– Passada eleição, SP vai regredir de fase na quarentena para brecar pandemia

As autoridades tomaram conhecimento do evento por meio de uma denúncia anônima. Segundo Domingos Fortuna, superintendente da GCM, no momento da operação, cerca de 500 pessoas já estavam na chácara no Recreio das Acácias, zona Sul de Ribeirão Preto. O órgão apurou que um público de 1,5 mil pessoas de diferentes regiões do Brasil era esperado. Cada ingresso foi vendido a R$ 40 e dava direito ao consumo de bebidas.

– Bia Doria, 1ª dama de SP, diz que pessoas que vivem na rua são irresponsáveis e não devem receber comida

Um folheto com a apresentação do line-up previa a apresentação de DJs das 16h de sábado até as 18h deste domingo. Ainda de acordo com Fortuna, a Vigilância Sanitária também esteve no local e constatou que os protocolos de segurança contra a Covid-19 não foram respeitados.

– Coronavírus cresce 250% entre Yanomami e pesquisadores falam em descontrole

Os responsáveis pela organização da festa foram identificados e levados à delegacia para registro da ocorrência e autuação. De acordo com o promotor Wanderley Trindade, o Ministério Público vai analisar as informações do flagrante e os organizadores devem respondem por crime contra a saúde pública, artigo 268 do Código Penal, e dano moral coletivo. A multa pode chegar a R$ 200 mil.

Por causa do aumento de casos de Covid-19 no estado, Ribeirão Preto, assim como o restante das cidades, está na fase vermelha do Plano São Paulo, a mais restrita, até este domingo. A etapa não permite eventos de qualquer porte. Em Ribeirão Preto, até quinta-feira (24), quando o último boletim epidemiológico foi divulgado, o balanço da Prefeitura apontava 38.170 pessoas infectadas pelo novo coronavírus e 940 mortes.

Publicidade

Foto: Reprodução / EPTV (Afiliada Rede Globo)


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.