Debate

Doria quer demolir complexo esportivo do Ibirapuera para construir shopping

por: Redação Hypeness

O governador de São Paulo, João Doria, quer demolir o Ginásio do Ibirapuera para transformá-lo em um shopping center. O tradicional centro esportivo localizado próximo da Avenida Paulista teve o pedido de tombamento negado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat), o que abriu caminho para concessão à inciativa privada.  

Segundo informações do UOL, a proposta consta em diversos documentos referenciais de uma concessão que deve ser lançada pela administração tucana ainda no mês de dezembro. O fato praticamente condena o projeto do arquiteto Ícaro de Castro Mello.

– Passada eleição, SP vai regredir de fase na quarentena para brecar pandemia

– Bia Doria, 1ª dama de SP, diz que pessoas que vivem na rua são irresponsáveis e não devem receber comida

O centro esportivo é palco de um dos hospitais de campanha durante a pandemia do coronavírus

Qual o plano de Doria? 

A ideia original da concessão era entregar todo o terreno de 91 mil metros quadrados para um concessionário que teria como obrigação construir uma arena multiuso para 20 mil pessoas na área, que segundo entendimento do governo Doria, supriria uma suposta carência da maior e mais rica capital do país.

Acontece que essa arena não precisa ser erguida necessariamente no mesmo local onde hoje fica ginásio Geraldo José de Almeida (o Ibirapuera), construído na década de 1950. De acordo com o UOL, a proposta do governo estado é que a arena seja construída onde hoje está o estádio usado para futebol, rúgbi e atletismo e o ginásio transformado em shopping. A decisão, porém depende do futuro concessionário.

O terreno do Ginásio Ibirapuera foi cedido da Prefeitura de São Paulo para o governo do estado ainda na década de 1940, mas com a condição de que o fosse exclusivamente esportivo. Diante disso, lá foram construídos dois ginásios (o mais famoso e outro menor usado principalmente para lutas), um estádio, um complexo aquático com piscina olímpica, tanque de saltos e arquibancada, diversas quadras de tênis que até o ano passado recebiam o ‘Brasil Open’, além de outras duas quadras cobertas, o Palácio do Judô (um ginásio dedicado a essa arte marcial) e canchas de bocha.

– Crivella quer censurar HQ dos Vingadores para ‘proteger as crianças’

Ginásio Ibirapuera pode ser demolido e virar shopping

Um estudo referencial do governo para o Ginásio do Ibirapuera ressalta que a construção de quatro quadras poliesportivas e uma pista de skate street, que somariam menos de 2 mil metros quadrados do amplo terreno – e o uso esportivo da arena -, garantiriam esta exigência firmada ainda nos anos 1940.

O restante da área poderia, então, ser utilizada para o concessionário obter receita (lucrar), que pelo estudo referencial aconteceria da seguinte forma: três edifícios onde hoje ficam o alojamento e o centro aquático. Um deles funcionaria como apart hotel, outro como hotel e o terceiro um prédio de escritórios. Essa estrutura também teria um ‘open mall‘, nada mais do que shopping a céu aberto na cidade conhecida pela abundância de centros de compras.

– Coronavírus cresce 250% entre Yanomami e pesquisadores falam em descontrole

Mais um shopping em SP, Doria?

Já o shopping, diz o Relatório de Modelagem Econômico Financeira, teria 31.000 m² de área computável, o que o classificaria como “do tipo tradicional e de porte regional”, conforme informações do UOL colhidas junto à associação do setor. 

– USP desenvolve rodo com radiação que mata vírus no chão de hospitais

João Doria quer demolir o Ginásio Ibirpauera para construir shopping

O complexo do Ibirapuera ainda é a sede de diversas federações estaduais e tem um alojamento para os atletas do ‘Projeto Futuro’ – programa do governo do estado que revelou, no Ibirapuera, boa parte dos principais atletas de judô e atletismo do país nas últimas décadas. Se o Ginásio Ibirapuera for privatizado, o estado promete levar parte desses atletas para o Baby Barioni, na Água Branca, cuja reforma já dura quase sete anos, de acordo com o UOL.

O verador Eduardo Suplicy criticou o projeto nas redes: 

Publicidade

Fotos: foto 1: Fotos Públicas/foto 2: Commons Media/foto 3: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
‘Cara de ladrão’: Fabio Turci cita colega da Globo em desabafo sobre racismo de PM contra trabalhador