Debate

EUA: câmara aprova descriminalização da maconha, mas terá que convencer republicanos no Senado

Yuri Ferreira - 04/12/2020

A Câmara dos Representantes dos EUA – equivalente à nossa Câmara dos Deputados – aprovou a descriminalização da maconha em nível federal. A medida representa um avanço no debate sobre a política de drogas dos estadunidenses, mas o projeto de lei ainda deve passar pelo Senado do país – dominado por senadores republicanos de maioria evangélica e conservadora.

– Maconha medicinal para uso próprio é legalizada na Argentina; veja diferenças com Brasil

Maconha recreativa já é legal em 14 e medicinal é legalizada em 36 deles

Criminalização atinge negros em peso 

A maioria democrata na Câmara fez com que o projeto, que prevê a remoção da droga da lei de Controle de Substâncias, fosse aprovado com folga: 228-164. Além disso, a prposta também instaura um imposto de 5% sobre a comercialização da droga que seria utilizado para financiar crédito a pequenos comércios e comunidades impactadas pela criminalização da maconha.

– Maconha deixa lista de drogas mais perigosas da ONU em tendência de controle mais brando

O problema está no Senado americano. A casa, presidida por Mitch McConnell, tem a maioria dos senadores do partido Republicano, historicamente mais conservador e ligado ao presidente Donald Trump. Não se sabe, entretanto, qual será a votação. O deputado republicano Matt Gaetz, por exemplo, é a favor da legalização da droga, mas é contra o imposto que ajudaria a reconstruir comunidades destruídas pela criminalização da cannabis.

Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes, articulou votação que pode representar passo importante para a legalização da maconha no Ocidente

O debate sobre a legalização da Cannabis se torna ainda mais amplo nos EUA com as recentes legalizações nos estados de Nova Jersey, Arizona, Dakota do Sul e Montana – que aprovaram a comercialização da droga em nível estadual através de plebiscito realizado no dia do pleito que elegeu Joe Biden como próximo presidente do país mais poderoso do Ocidente.

A medida auxiliaria a reduzir a enorme população carcerária dos país. Cerca de 40% dos presos por conta de drogas nos EUA foram detidos por maconha e 90% dos casos foram de porte da droga para uso pessoal. Segundo estudos da organização American Civil Liberties Union, uma pessoa negra tem três vezes mais chance de ser presa por porte de cannabis nos EUA do que uma branca.

– Enquanto Anvisa não se decide, o mercado bilionário do Cannabusiness se organiza

“O uso de maconha nos EUA ser aceitável ou condenável a depender da condição social do usuário”, diz o deputado Hakeem Jeffries, do partido Democrata em Nova York. “Não é socialmente aceitável que um comportamento seja aceitável para determinadas vizinhanças e criminalizado para outros, especialmente quando a linha de divisão é a raça”, atentando para o impacto racista da criminalização da maconha, que prejudica comunidades majoritariamente negras.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.