Diversidade

Grupo que teve caminhada perseguida por polícia dá aula sobre história negra a PMs

Karol Gomes - 11/12/2020

Na manhã de 24 de outubro, um sábado, a ‘Caminhada São Paulo Negra, organizada pela Black Bird Viagem para contar a história de lugares e personagens ligados à cultura negra de São Paulo, foi monitorada por dois PMs — do início ao fim. O evento, de teor turístico e cultural, passou longe de ser algum tipo de protesto, tampouco de conter violência, mas os oficiais insistiram em acompanhar o grupo. 

A atitude da Polícia Militar causou mal-estar junto ao movimento negro, provocou a abertura de um inquérito no Ministério Público e de uma ação interposta pela Black Bird Viagem contra a PM. Após o constrangimento, a Polícia Militar de São Paulo decidiu participar da experiência a convite da empresa responsável pelo tour. 

– Jovem negro denuncia violência da Polícia Militar com ensaio fotográfico poderoso

Grupo que teve caminhada perseguida por polícia dá aula sobre história negra a PMs

Negro livre 

Além disso, os responsáveis pela Black Bird deram uma aula a um grupo de oficiais do curso de especialização em direitos humanos, promovido pela própria corporação.O encontro, realizado nesta quarta (9) — véspera do Dia Internacional de Direitos Humanos —, e acompanhado pelo jornal Folha de São Paulo, durou cerca de uma hora.

“Aquele é o racismo estrutural. Pessoas negras juntas podem estar fazendo turismo e uma atividade cultural, não necessariamente uma manifestação. Aquela perseguição foi uma tentativa de criminalizar o trabalho que a gente faz”, disse ao G1 Guilherme Soares Dias, um dos sócios da BlackBird Viagem e que fez o tour com os policiais.

– Filha de George Floyd diz que ‘papai mudou o mundo’ e mãe lamenta ausência de figura paterna

Guia Negro ensinou noções de direitos humanos ao contar a história do negro em SP

Os PMs aprenderam noções sobre cultura negra, racismo estrutural e também receberam explicações a respeito do tour em que participaram, que passou por locais históricos de São Paulo como a Praça da Liberdade, palco de execuções de escravos condenados; pela Capela dos Aflitos, onde os executados eram velados; pela rua Sete de Abril e pelo Largo Paissandu. 

– Mulher que deu show de homofobia em padaria e o privilégio branco que João Alberto não teve no Carrefour

De acordo com  Elizeu Soares Lopes, ouvidor da Polícia Militar, a Folha, a participação dos PMs do curso em direitos humanos na caminhada foi acertada no mês passado, após um encontro da cúpula da instituição e integrantes do movimento negro. 

Publicidade

Fotos: Felipe Benício/BlackBird Viagens/Divulgação


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Parada LGBT+ por quem a acompanha desde os 11 anos: ‘Meu camarote era a banca do meu pai’