Reverb

Isaac e Nora: duo de irmãos franceses de 11 e 8 anos encanta com covers em voz e trompete

por: Redação Hypeness

Uma luz de fim de tarde, um banquinho no jardim. Um violão, um trompete e dois irmãos talentosos. Isaac Nora têm 11 e 8 anos, respectivamente, e viralizaram na internet a partir de um vídeo em que cantam e tocam uma versão de “Veinte Años“, clássica habanera composta por Guillermina Aramburu e Maria Teresa Vera, conhecida pelas novas gerações a partir da gravação de Omara Portuondo no documentário e álbum “Buena Vista Social Club”.

Franceses com ascendência sul-coreana, Isaac e Nora não precisam de cinco segundos para conquistar quem quer que ouça o sotaque francês cantando em espanhol, em meio à timidez característica da idade. Enquanto ela canta, ele acompanha, ora na voz ora no instrumento de sopro.

O vídeo, publicado no fim de junho, já tem 42 milhões de visualizações no Facebook e quase 2 milhões no YouTube. O sucesso na internet ajudou a dupla a finalizar seu primeiro álbum, “Jazz (& Love) Studies“, projeto que começou em novembro e deve ser lançado ainda este mês. Além de trompete, Isaac ainda toca violão e bateria. Já Nora sabe tirar um som no acordeão e no ukulele

Os irmãos já fizeram uma fofa gravação de “The Thrill Is Gone“, o standard de blues composto por Lew Brown e Ray Henderson, espelhando-se na interpretação do cantor e trompetista Chet Baker (1929-1988). Também publicaram versões de “Hallelujah”, de Leonard Cohen (1934-2016), “Sweet Dreams“, do Eurythmics, e “My Baby Just Cares For Me“, de Nina Simone (1933-2003). A responsável pelas filmagens é a mãe dos dois, Catherine. Quem os acompanha no violão é o pai, o sul-coreano Nicolas. A família vive na cidade de Quimper, na Bretanha, noroeste da França.

Publicidade

Foto: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Especiais



X
Próxima notícia Hypeness:
Tradutora de Libras fala sobre trabalhar em shows de Alok e interpretar versos ‘quentes’ do funk carioca