Debate

Nenhuma a menos: projeto pela legalização do aborto chega ao Senado na Argentina

por: Redação Hypeness

Nesta terça-feira (29/12), o projeto para legalizar o aborto na Argentina será votado pelo Senado do país, a última instância para aprovar definitivamente a decisão. Vitorioso na Câmara dos Deputados no último dia 11, o projeto ainda divide os senadores e, caso aprovado, tornará a nação vizinha do Brasil no primeiro grande país da América Latina a permitir o aborto legal.

A proposta busca tornar legal a interrupção voluntária da gravidez até a 14ª semana de gestação e tem o apoio do atual presidente argentino, Alberto Fernández. Segundo dados do Ministério da Saúde da Argentina, em 2018, 35 das 257 mortes de mulheres grávidas naquele ano aconteceram devido a “gravidezes interrompidas por aborto”.

– Legalização do aborto por Senado argentino é passo histórico na luta por direitos das mulheres

Mulheres argentinas se manifestam pela legalização do aborto

Manifestantes acompanhando o voto dos deputados pela legalização do aborto na Argentina, em 11 de dezembro de 2020

Apesar da falta de sucesso na votação do Senado pela legalização do aborto em 2018, o sentimento atual entre as manifestantes pró-escolha é de esperança.

Mesmo com atos organizados por setores católicos e conservadores contra a proposta, o movimento pró-aborto recebeu, por exemplo, forte apoio de mais de 1.500 personalidades da cultura argentina, que se manifestaram por meio de uma carta aberta em prol da vida e do livre arbítrio das mulheres.

“Há décadas esperamos por este momento. O aborto legal é uma reivindicação social e transversal”, escreve o documento, divulgado no último dia 27. “É hora de fazer história. O mundo está nos observando.”

– Isolamento social por coronavírus aumenta casos de teleaborto nos EUA

Do lado conservador e religioso, contudo, o Papa Francisco já chegou a comparar, em fala de 2018, a interrupção voluntária da gravidez a uma morte encomendada a um matador de aluguel.

“Interromper uma gravidez é como eliminar alguém. É justo eliminar uma vida humana para resolver um problema?”, disse o pontífice (que ainda considera o aborto um “pecado grave”), em outubro daquele ano. “É como contratar um matador de aluguel para resolver um problema.”

Mulher se emociona ao esperar pela decisão da Câmara dos Deputados a favor da legalização do aborto, em 11 de dezembro de 2020

Segundo informações do jornal “El País“, a votação do projeto está prevista para acontecer na madrugada do dia 30 de dezembro. Assim como na noite do dia 11, em que a proposta foi aprovada pelos deputados, haverá vigília de manifestantes da “maré verde”, movimento de mulheres que vem fazendo história na luta pelo aborto legal, seguro e gratuito na Argentina.

‘Maré Verde’: movimento de mulheres pelo aborto legal na Argentina

Fruto das manifestações feministas “Ni una a menos” (“Nenhuma a menos”, em tradução livre), promovidas contra a violência de gênero na Argentina desde 2015, os atos da chamada “Maré Verde” passaram a se chamar assim por conta dos tradicionais lenços verdes utilizados pelas manifestantes argentinas pró-aborto.

“A maré verde é uma revolução feminista em movimento e é intergeracional. Há uma experiência de transversalidade, de articulação com sindicatos, movimentos sociais, direitos humanos”, explica a jornalista e escritora María Florencia Alcaraz, autora do livro “Que seja lei!”, sobre a luta pela legalização do aborto na Argentina, em entrevista à “AFP“.

– Com legalização, número de abortos cai em Portugal. Nenhuma mulher morreu desde 2011

Manifestantes da ‘Maré Verde’ argentina durante ato a favor da legalização do aborto

Inspiradas pelas Abuelas de la Plaza de Mayo, de Buenos Aires, — mulheres argentinas que usavam lenços brancos na cabeça para chamar atenção para os sequestros e assassinatos de seus entes queridos durante a ditadura militar do país —, pessoas a favor da legalização do aborto escolheram os “pañuelos” de cor verde para simbolizar a saúde e a esperança.

“Esta lei não pertence a nenhum presidente ou governo, é mais uma conquista do movimento feminista”, diz a deputada Silvina Lospennato, ativista “verde” do partido PRO, também em entrevista à “AFP”.

Publicidade

Fotos: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Vogue fala sobre capa com vice-presidente Kamala Harris e acusações de branqueamento