Debate

Robinho é condenado em 2ª instância a 9 anos de prisão por violência sexual; cabe recurso

Karol Gomes - 10/12/2020

Nove anos de prisão: é a decisão do tribunal, a segunda instância da Justiça italiana da Corte de Apelação de Milão, que confirmou, nesta quinta-feira (10), a condenação do jogador Robinho e de seu amigo Ricardo Falco pelo crime de violência sexual de grupo

Os advogados de Robinho e Falco poderão recorrer à Corte de Cassação, tribunal no sistema judiciário do país equivalente ao Supremo Tribunal Federal no Brasil. Só após o processo tramitar nessa terceira instância um acusado pode ser considerado culpado por algum crime.

– Caio Ribeiro é repreendido ao vivo por Cleber Machado após defender Robinho

– A indefensável defesa de Robinho de volta ao Santos após condenação por estupro; relembre o caso

Robinho é condenado em 2ª instância a 9 anos de prisão por violência sexual; cabe recurso

Defesa tenta tática machista 

Na sessão desta quinta (10), a Corte de Apelação rejeitou o recurso apresentado pelos advogados do jogador e de Falco. A decisão foi tomada por um colegiado de três juízas, Francesca Vitale (que presidiu o julgamento), Paola Di Lorenzo e Chiara Nobili.

– Patrocinador rompe com Santos após contratação de Robinho: marcas não querem mais se associar ao machismo

Os dois acusados, que estão no Brasil, foram representados pelos seus advogados. A vítima, que hoje tem 30 anos, compareceu ao tribunal acompanhada de seu advogado, Jacopo Gnocchi. Outros quatro brasileiros teriam participado do ato. Como deixaram a Itália no decorrer das investigações, eles estão sendo processados em um procedimento à parte, atualmente parado.

A condenação em primeira instância de Robinho e Ricardo Falco é de novembro de 2017. O jogador e seu amigo são acusados e condenados em duas instâncias por abusar sexualmente de uma mulher albanesa na boate Sio Café, em Milão, em janeiro de 2013. À época, Robinho era um dos principais jogadores do Milan. 

– Caso Robinho: jornalistas da Globo tem número vazados e sofrem ataques

A decisão do tribunal foi baseada no artigo ‘609 bis’ do código penal italiano, que fala da participação de duas ou mais pessoas reunidas para ato de violência sexual, forçando a vítima a manter relações sexuais por sua condição de inferioridade “física ou psíquica”.

A defesa, como mostra relato abaixo, tentou desqualificar a vítima mostrando fotos da jovem ingerindo bebida alcoólica. O movimento machista de culpabilizar a vítima não convenceu os juízes.

– Gravações do caso Robinho vazam e confirmam ausência de consentimento

Conforme depoimento da vítima e das interceptações realizadas ao longo da investigação, a mulher estava “completamente bêbada” quando foi dominada e submetida a relações sexuais sem o seu consentimento com o jogador e seus amigos.

Em outubro, o Globo Esporte publicou diálogos entre Robinho e seus amigos que embasaram a história da vítima e a condenação em primeira instância. Após a divulgação da reportagem, o Santos e o próprio Robinho anunciaram a suspensão do contrato que haviam firmado pouco antes. O jogador ainda não se pronunciou sobre o assunto. 

Publicidade

Foto: Getty Images


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Juliette deve usar parte de prêmio do ‘BBB’ para cirurgia no coração da mãe