Reverb

‘Sempre é tempo para aprender’, diz Martinho da Vila, aos 81 anos

por: Bárbara Martins

Patrimônio imaterial da música brasileira, ele é conhecido por apreciar a vida sem muita pressa. Autor de mais de dez livros, cantor e compositor com cerca de 60 anos de experiência no sambaMartinho da Vila, 81 anos, é um dos grandes contadores de histórias cotidianas. Em entrevista ao Reverb durante a XIX Bienal do Livro, realizada entre 30 de agosto e 8 de setembro deste ano, o sambista carioca deu detalhes sobre a publicação de “2018 – Crônicas de Um Ano Atípico“, além de falar das novas gerações da música nacional, de futuros projetos e de sua vontade insaciável de conhecer sempre mais.

“O cara que já está realizado já pode morrer”, disse Martinho durante a mesa “Muito Além da Música” no Café Literário do dia 4 de setembro, na Bienal do Rio de Janeiro. Ao lado de Elza Soares, 82, e do jornalista e mediador da conversa Zeca Camargo, 56, o amor do artista por se apresentar e por continuar trabalhando foi tema constante. “O melhor lugar do mundo, para mim, é o palco. Se eu estiver com uma dorzinha de cabeça, ela passa.”

Quase todos os meus sambas são crônicas. São crônicas do dia a dia, de coisas que acontecem, de pensamentos, de mensagens

Em maio deste ano, a voz de “Devagar, Devagarinho” lançou “2018 – Crônicas de Um Ano Atípico” — o segundo livro de crônicas da carreira de escritor — e autografou exemplares durante o evento literário de setembro. A publicação é dividida em acontecimentos de todos os 12 meses de 2018, ano em que Martinho completou oito décadas de vida. Mas dentro e fora do universo impresso da prosa, ele segue mestre na observar e contar causos do cotidiano. “Quase todos os meus sambas são crônicas. São crônicas do dia a dia, de coisas que acontecem, de pensamentos, de mensagens”, contou ao Reverb.

Referência para novos artistas do cenário de música do Brasil, Martinho cita BKCrioloEmicidaRappin’ Hood e Otto como alguns dos que mais gosta. “Essa rapaziada toda que está por aí fazendo som, escrevendo também, a maioria cresceu me ouvindo, porque foram muitos anos fazendo sucesso nas casas das famílias”, diz. Em primeiro encontro com o rapper Criolo, o sambista foi tratado com muito carinho. “Ele (Criolo) falou: ‘Eu cresci ouvindo você’. A mesma coisa foi Emicida, Otto e muitos outros. Então, eu me sinto assim: normal mesmo. Eles também me tratam com normalidade. Às vezes eu penso que eu sou igual a eles”, ri.

Com um novo álbum sobre o Rio de Janeiro a caminho — previsto para 2020 —, Martinho já tem data marcada para o próximo show: 12 de outubro, no Vivo Rio. “Vai ser um show alegre e muito informativo. Eu vou me divertir e acho que quem for também”, garante. “Eu fico sempre feliz quando eu consigo fazer com que as pessoas saiam mais felizes do show do que quando chegaram.”

Publicidade

Fotos de destaque: Getty Images


Bárbara Martins
Criada em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, é jornalista, fotógrafa e videomaker. Envolvida pela cultura, história e arte de subúrbios e periferias, dedicou pouco mais de dois anos à cobertura de pautas relacionadas à música como redatora do site Reverb, antigo parceiro do Rock in Rio. Em formação pela UFRJ, também tem experiência com produção de conteúdo para redes sociais, assessoria de imprensa e gravação de sessions e entrevistas.

Especiais



X
Próxima notícia Hypeness:
Santa Mala: as irmãs imigrantes da Bolívia que querem fortalecer as mulheres do rap em SP