Debate

A seletividade racista nos protestos pró-Trump em dois atos

Redação Hypeness - 07/01/2021

O último dia 6 de janeiro, é certamente, um marco na história recente dos Estados Unidos. Militantes de extrema-direita invadiram o Capitólio dos EUA, em Washington, D.C, para tentar impedir a ratificação dos resultados eleitorais que dariam a presidência do país para o democrata Joseph R. Biden.

– Capitólio é invadido em tentativa de golpe de apoiadores de Trump

Policiais em pequeno número foram coniventes com o avanço dos extremistas de direita no Capitólio

Isso porque, meses atrás, vimos o país pegando fogo por conta da luta contra a violência policial encabeçada pelo movimento Black Lives Matter. Cenas de brutalidade policial e até o uso da Guarda Nacional para o combate às manifestações em Portland, no Oregon, e em Kenosha, no Winconsin.

– Virada na Geórgia: com Stacey Abrams, provável derrota de Trump veio pela força do punho negro

A irrupção golpista da última quarta-feira (6) mostrou como as autoridades tem um lado preferido na história. Quando as manifestações antirracistas ameaçaram chegar nas proximidades do Capitólio – onde ficam a Câmara dos Deputados e o Senado Americano – veja como as polícias se armaram:

Guarda Nacional reunida para combater manifestantes que protestavam contra o racismo em frente à Casa Branca

Na terça-feira (6), o baixo número de policiais mobilizados tentou barrar os trumpistas, que rapidamente invadiram o Senado e conseguiram negociar entrada e saída. Ao contrário dos protestos antirracistas, poucas pessoas foram detidas. Teve gente que até tirou selfie com os policiais (te lembra alguma coisa?).

Os primeiros invasores do Congresso eram de grupos neonazistas: um vestia uma camiseta em homenagem ao campo de concentração de Auschwitz, outro tinha uma suástica tatuada no peito e um homem vestia uma camiseta com a sigla 6MWE, acrônimo para ‘6 milhões não foram o suficiente’, colocação em relação ao Holocausto.

Homem com camisa de Auschwitz participou da invasão ao Capitólio

Neonazistas, fascistas assumidos, milícias armadas, anarcocapitalistas e teóricos da conspiração puderam invadir de forma tranquila a sede do poder legislativo do país mais rico do mundo em defesa do fim da democracia. Manifestantes que lutavam contra a violência policial contra uma raça específica foram recebidos com tiros de verdade, bombas de gás lacrimogêneo, prisões e sufocamentos. Dois pesos, duas medidas.

– Derrotado, Trump age como se nada tivesse acontecido. Presidente pode se recusar a deixar Casa Branca?

Após a invasão, o Presidente Donald Trump pediu que seus apoiadores se retirassem do Capitólio. A ação reforça a base popular do Republicano, que conseguiu 78 milhões de votos na última eleição e promete fazer com que a revolta da última quarta-feira se torne rotina nos próximos 4 anos do governo Joe Biden.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Samantha Schmutz alfineta Luciano Huck por voto em branco e lembra Paulo Gustavo