Ciência

Chocolates de 121 anos são achados como se fossem ‘novos’ dentro de biblioteca

por: Redação Hypeness

Uma caixa de chocolates ainda embalados em palha e papel alumínio foi encontrada após 121 anos na Biblioteca Nacional da Austrália. A descoberta foi feita por uma equipe que avaliava a coleção recém-adquirida de papéis do poeta australiano A. B. “Banjo” Paterson.

De acordo com informações da própria biblioteca, as guloseimas foram encomendadas pela Rainha Vitória (1819-1901) há 121 anos como forma de presentear as tropas britânicas durante a Segunda Guerra dos Bôeres, na África do Sul.

Com uma imagem da monarca na embalagem, a caixa apresenta os escritos: “África do Sul, 1900. Desejo-lhe um feliz ano novo, Victoria RI.”

– Chocolates e pudins: impressão de alimentos em 3D está mais perto da realidade

Caixa de chocolates de 121 anos era presente da Rainha Vitória, da Grã-Bretanha

Segundo a “Revista Galileu”, os chocolates da rainha são os mais antigos já achados intactos no mundo. Os doces — que, na época, eram considerados de boa procedência — foram fabricados pela Cadbury, empresa do século 19 que hoje é gerida pela Mondelez International.

Mas como o chocolate foi parar nas mãos do poeta australiano? Pois bem, além de artista, Banjo (1864 – 1941) também era jornalista e trabalhou como correspondente de guerra na África do Sul durante os confrontos. Ao que tudo indica, o escritor teria comprado os doces de um soldado.

A caixa foi encontrada pela equipe da Biblioteca Nacional da Austrália durante o processo de desempacotar os pertences de Banjo para disponibilizar os escritos do poeta de forma digital e gratuita ao público.

Publicidade

Foto: Divulgação / Biblioteca Nacional da Austrália


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Confira um Sapo-do-suriname dando à luz por buracos em suas costas [alerta tripofobia]