Debate

Criadora de vagina gigante em parque classifica críticas como ‘mentalidade equivocada’

por: Karol Gomes

Uma ‘vulva ferida‘ de 33 de metros de altura, 16 de largura e seis metros de profundidade foi construída em um museu a céu aberto no agreste pernambucano.

A artista plástica responsável, Juliana Notari, batizou a peça de ‘Diva e diz, em entrevista ao Metrópoles, que a arte tem como objetivo “dialogar com questões que remetem a problematização de gênero, a partir de uma perspectiva feminina aliada a uma cosmovisão que questiona a relação entre natureza e cultura na nossa sociedade ocidental falocêntrica e antropocêntrica”

Criadora de vagina gigante em parque classifica críticas como ‘mentalidade equivocada’

A polêmica

O trabalho chamou atenção nas redes sociais e acabou recebendo um retorno negativo. A artista, que não esperava tantos ‘haters‘, acredita que tal resposta esteja relacionada com o tema de gênero, mas há quem argumente que o problema não é o órgão feminino exposto, mas sim o fato de que Juliana não teve um pensamento inclusivo e interseccional em sua criação.

– Erykah Badu lança incenso com cheiro de sua vagina: ‘As pessoas merecem’

– Ginecologia feminista e alternativa empodera as mulheres com o autoconhecimento

A peça foi batizada como ‘Diva’ e construída no agreste de PE

A peça foi batizada como ‘Diva’ e construída no agreste de PE

Mentalidade equivocada

Juliana reconheceu a importância do debate sobre o assunto, mas reprovou a onda de ódio, que segundo ela “vem do momento em que estamos vivendo, marcado pela ‘destruição do diferente’”, Ela completou, em conversa com o Metrópoles, que muitas pessoas “revertem o significado dos questionamentos e os criminalizam com uma mentalidade completamente equivocada”.

‘Diva‘ é fruto de um trabalho performático feito em paredes por Juliana Notari. A imagem, de acordo com ela, trabalha questões de gênero e a natureza. Para ela, a vagina representa algo sagrado. 

– Viva la Vulva: comercial celebra vaginas de todas as cores e tamanhos

A execução da obra contou com a mão-de obra de 20 engenheiros, em sua maioria negros, para dar vida à peça, que levou mais de 11 meses para ficar pronta no parque artístico botânico Usina de Arte, em Água Preta, no município da Zona da Mata Sul, em Pernambuco.

Construído em uma antiga usina de cana-de-açúcar, o parque é uma “livre reprodução de Inhotim”, e tem como objetivo ressignificar o local a partir da arte, imprimindo riqueza cultural a um espaço que carrega uma herança histórica marcada pela dominação e pelo patriarcado.

Veja mais algumas fotos e outras reações nas redes sociais: 

– Inventaram uma bijuteria para a vagina e agora não duvidamos de mais nada

– 5 minas do rap nacional e 5 rappers gringas para você dar o play no Spotify

– Pussypedia: elas criaram uma enciclopédia todinha dedicada à vagina

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.


X
Próxima notícia Hypeness:
Vogue fala sobre capa com vice-presidente Kamala Harris e acusações de branqueamento