Inspiração

Joe Biden é o 1º presidente gago da história dos EUA e isso é muito importante

Vitor Paiva - 18/01/2021 às 09:40 | Atualizada em 22/02/2022 às 16:06

George VI foi rei do Reino Unido por 16 anos e, conforme retrata o filme O Discurso do Rei, precisou por diversas enfrentar uma característica complexa e profunda durante seu governo: a gagueira. O pai da atual rainha Elizabeth II sofria de um caso grave de disfemia, nome técnico dessa desordem de fluência de fala, e teve de superá-la para falar no parlamento, discursar e se afirmar enquanto rei.

Ele não foi, no entanto, o único político gago: o primeiro-ministro britânico Winston Churchill também sofria com a gagueira, e até mesmo o imperador Cláudio, que governou o Império Romano de 41 d.C. até o ano 54, era gago. Pois a história da gagueira ganha um novo capítulo com a eleição de Joe Biden para presidência dos EUA – sim, antes de fazer carreira na política e, por isso, naturalmente se tornar um orador, o 46º presidente estadunidense era gago.

Como a decoração do Salão Oval mudou desde a mudança de Biden para a Casa Branca

Biden e a fala 

Segundo conta, quando era jovem a única frase que Biden conseguia dizer sem gaguejar era um pedido de que passassem a bola para ele – gritado em campo, para os colegas de seu time de futebol americano no colégio Archmere, em Claymont, estado de Delaware, onde cresceu. O êxito no esporte, aliado a intensos treinos fora de campo – nos quais lia poemas em voz alta – ajudou Biden a construir sua confiança e, assim, começar a superar a condição.

“Esporte era tão natural pra mim como falar não era. O esporte se tornou o meu passaporte para ser aceito. Eu não era facilmente intimidado em um jogo, mesmo quando eu gaguejava, eu sempre era o menino que dizia: passa a bola pra mim”, escreveu em seu livro de memórias.

Ativista negra Harriet Tubman será o novo rosto da nota de 20 dólares, afirma governo Biden

Na convenção do Partido Democrata em 20 de agosto de 2020, um jovem de 13 anos roubou a cena ao falar remotamente sobre a inspiração que Biden era para ele, que também é gago. Brayden Harrington havia conhecido Biden em um encontro de campanha, e se emocionou ao descobrir que ambos faziam parte “do mesmo clube”, como disse.

Virada na Geórgia: com Stacey Abrams, provável derrota de Trump veio pela força do punho negro

“Foi incrível descobrir que alguém como eu havia se tornado vice-presidente. Ele me contou sobre um livro de poemas do [poeta irlandês W.B.] Yeats , que ele lia em voz alta, e como ele marcava as partes mais difíceis para facilitar a leitura em voz alta – e eu fiz a mesma coisa hoje”, disse Harrington em vídeo.

Brayden Harrington e Joe Biden juntos lendo Yeats © reprodução

Se parássemos totalmente de falar a pandemia de Covid-19 desapareceria, dizem especialistas

A experiência da gagueira, segundo Biden, foi determinante para seu desenvolvimento pessoal, e até mesmo político. “Eu aprendi tanto lidando com a gagueira. Me fez olhar para a dor das outras pessoas. O sofrimento de outras pessoas. Me fez entender que todo mundo – todo mundo – está lutando para superar algo, e às vezes tentando esconder algo”, afirmou, em discurso recente.

O primeiro presidente gago dos Estados Unidos assumiu o cargo no dia 20 de janeiro de 2021 – quando fará um discurso histórico que será transmitido ao vivo para milhões de pessoas.

Publicidade

© fotos: Getty Images/reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness