Inspiração

Magazine Luiza ignora ataques e dobra número de negros contratados com plano de trainee

por: Redação Hypeness

Em 2020, a Magazine Luiza anunciou um projeto de trainees focado em pessoas negras para o ano de 2021. Após a conclusão do programa, a empresa comandada por Luiza Trajano conseguiu dobrar o número de pessoas negras em seu quadro de funcionários e assume pioneirismo na luta por inclusão de negros no mercado de trabalho.

– Magazine Luiza: reação após vaga exclusiva para negros prova que decisão foi acertada

Programa de trainee para negros da Magazine Luiza foi criticado nas redes sociais, mas se mostrou efetivo para combater a desigualdade na empresa e dobrou número de funcionários pretos e pardos na rede de varejo

À época, a medida causou polêmica. Setores conservadores e racistas se colocaram contra a medida. Em contrapartida, milhões de pessoas negras que sofrem na pele com a opressão apoiaram a medida e enxergaram que a empresa estava dando um passo importante contra o racismo estrutural no nosso país.

– No Dia da Maria da Penha, Magazine Luiza incentivou a meter a colher

“Estamos nivelando por cima. Tenho várias constatações, mas uma delas é mais dolorosa. É que em vários programas de trainee as empresas disputam os profissionais. Estes dessa safra são, no mínimo, tão talentosos ou mais do que as safras anteriores. Mas a grande maioria estava desempregada ou em um emprego aquém do talento deles”, afirmou o presidente da empresa, Frederico Trajano, em entrevista à Folha de São Paulo.

Segundo dados revelados na Folha, a Magalu conseguiu aumentar o número de inscritos de 22 para 28 mil e elevou o número de pessoas negras dentro do quadro de funcionários. Os trainees estarão próximos da gestão executiva da rede de varejos.

Para Patrícia Pugas, diretora do RH da empresa, a medida tem como foco combater desigualdades socioeconômicas e raciais. “Não se pode dizer que todo preto é pobre. Mas sabemos que as questões sociais estão, sim, associadas às raciais. Não se pode desconsiderar isso quando se quer fazer ação inclusiva. Às vezes, eles precisam sair da casa onde são arrimo de família. Tem questão de conforto, de roupas, de apresentação pessoal para se sentirem melhor neste momento”, disse à Folha.

– A vendedora virtual da Magazine Luiza precisou falar sobre o assédio sofrido

“Do ponto de vista de formação, estamos focando os desenvolvimentos socioemocionais. Estamos prevendo cursos de desenvolvimento na área de presença executiva. São coisas que, ao longo do processo, verificamos que são importantes para que essas pessoas se sintam bem e aflorem”, concluiu.

Publicidade

Fotos: Divulgação/Magazine Luiza


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Gilberto Gil relembra sua infância no interior da Bahia em post emocionante