Debate

Manaus está sem oxigênio em hospitais que ‘viraram câmara de asfixia’, diz pesquisador

Yuri Ferreira - 14/01/2021

Manaus está enfrentando um dos mais delicados momentos de sua história. Por conta do aumento do número de casos do novo coronavírus e a superlotação dos hospitais na capital do Amazonas, o oxigênio está em falta nas instituições de saúde do município. O gás é essencial para a sobrevivência das pessoas internadas com covid-19.

– Atriz de ‘Zorra’ morre de covid-19 enquanto aguardava leito em CTI no Rio de Janeiro 

Manaus já havia sofrido com primeira onda do novo coronavírus; em Abril, faltavam caixões na cidade

Manaus pede socorro 

Relatos publicados pela coluna da jornalista Mônica Bergamo, na Folha de São Paulo, impressionam e dão ideia do caos vivido por Manaus. Há relatos de médicos realizando bombeamento manual na tentativa de salvar o máximo de vidas possíveis.

“Estão relatando efusivamente que o oxigênio acabou em instituições como o Hospital Universitário Getúlio Vargas e serviços de pronto atendimento, como o SPA José de Jesus Lins de Albuquerque”, afirma o pesquisador Jesem Oerellana, da Fiocruz-Amazônia, à coluna de Mônica Bergamo.

“Acabou o oxigênio e os hospitais viraram câmaras de asfixia”, disse ele. “Os pacientes que conseguirem sobreviver, além de tudo, deve ficar com sequelas cerebrais permanentes.”

– SC: UTI para tratar coronavírus atinge 100% de lotação em maior alta em 8 meses de pandemia 

Manaus vive caos por falta de oxigênio em hospitais

Desde o terça-feira, o governador do Amazonas, Wilson Miranda Lima (PSC) e o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB), têm alertado que o oxigênio iria se esgotar, suplicando ao governo federal para uma solução. A média móvel de mortes pela covid-19 aumentou 183% na última semana.

Confira relatos de profissionais de saúde sobre a situação.

Pacientes transferidos para outros estados 

O governo do Amazonas anunciou que irá transferir pacientes para outros estados em transportes aeromédicos. O Ministério da Saúde tem trabalhado para coordenar o traslado. “São pacientes que ainda continuam dependentes do oxigênio, mas eles têm toda a segurança plena para serem aerotransportados”, explicou o secretário de atenção à saúde do Ministério da Saúde, coronel Franco Duarte. “O paciente do Amazonas que subir na aeronave terá toda a segurança e assistência, com cobertura até de assistentes psicossociais, para não haver falha nenhuma”.

– General responsável pelo Enem morre de covid-19 e reforça apelo para adiamento do exame 

Foi somente na tarde dessa quinta-feira (14) que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, convocou uma reunião de emergência para tratar do assunto, mesmo com pedidos de socorro das autoridades manauaras e amazonenses desde o início da semana.

O governador do estado instaurou uma quarentena rígida com fechamento total do comércio, incluindo suspensão de transportes públicos e funcionamento de farmácias apenas por delivery.

  • suspensão do transporte coletivo de passageiros entre rodovias e rios do estado;
  • fechamento de todas as atividades e circulação de pessoas entre 19h e 6h;
  • farmácias devem funcionar, entre 19h e 6h, por delivery ou sob demanda;
  • circulação de pessoas só será permitida, entre 19h e 6h, para quem trabalha em áreas estratégicas: saúde, segurança pública, imprensa.

A capital do Amazonas vive recorde de sepultamentos

A segunda onda da pandemia de covid-19 chegou ainda mais forte em Manaus, que ainda tenta se recuperar do baque inicial. A capital do Amazonas é uma das cidades mais atingidas pelo vírus no Brasil e o número de mortes subiu 90% desde o início de 2021. O impacto foi instantâneo no serviço funerário, que simplesmente não dá conta da demanda de enterros. Domingo (10) bateu todos os recordes com 194 sepultamentos na cidade.

A inércia do poder público diante do caos é gritante. Além de tentativas do governo federal de enfiar cloroquina goela abaixo dos manauaras, David Almeida (Avante), prefeito de Manaus, disse na terça-feira (12), dois dias antes da notícia da falta de oxigênio nos hospitais, que um lockdown não era necessário na capital

“Nesse momento não se faz necessário o lockdown, porém não descarto a possibilidade do mesmo, muito menos da quarentena caso se agrave a situação”, ressaltou. Entre os dias 1º e 9 de janeiro, 1.524 novas internações aconteceram em Manaus. Todas por covid-19. Mais de 210 mil casos foram registrados até o sábado em todo o estado (9) e mais de 5,6 mil pessoas morreram vítimas da covid-19 no Amazonas

A população tem buscado ajuda para Manaus através das redes sociais:

1.

2.

3.

4.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Joice Hasselmann nega violência doméstica e diz não saber como acordou com hematomas