Debate

Plataforma se retrata após camiseta exaltando Auschwitz ser encontrada à venda

Vitor Paiva - 15/01/2021 | Atualizada em - 05/03/2021

Se por um lado a internet é de fato uma terra virtual de oportunidades, e uma série de grandes plataformas funcionam como espaços para que empreendedores, artesãos e pequenos criadores possam oferecer seus talentos e produtos, por outro a automatização e a ausência de interação na maioria dessas relações podem provocar erros abomináveis. Foi o que ocorreu recentemente na Etsy, uma plataforma de e-commerce focada em produtos manufaturados, vintage ou de pequenos produtores – ao descobrir que um dos vendedores estava oferecendo uma camiseta estampada com as palavras “Camp Auschwitz”, nome do maior dos campos de concentração nazistas.

A camiseta à venda na plataforma

 

– A história de resistência da bailarina polonesa que atirou em nazistas a caminho da câmara de gás

Além do nome, a camiseta trazia a imagem de um crânio humano e dois ossos cruzados, e foi anunciada no site por um vendedor dos EUA por cerca de R$ 143,00. Segundo consta, o anúncio – realizado pelo vendedor e não pela plataforma – propagandeava o produto como “tudo que você sonhou e mais”, e “lisonjeiro para o homem e a mulher”. A descoberta do item provocou intensa reação na internet, e até o perfil do Museu e Memorial de Auschwitz pediu à plataforma pela retirada da “dolorosa” e “desrespeitosa” camiseta do site. Muitos pediram pelo boicote ao Etsy, mas outros lembraram que tal gesto iria prejudicar pequenos produtores, já que a plataforma funciona como uma espécie de Amazon ou E-Bay para essa fatia da indústria.

O tweet do Memorial de Auschwitz acusando a venda da camiseta

– Coronavírus: supremacistas brancos aproveitam pandemia para ataques no Zoom

A plataforma rapidamente confirmou que não sabia do item e que, assim que tomou conhecimento da camiseta, retirou o produto do ar e baniu o revendedor. “Etsy se posiciona firmemente contra qualquer forma de ódio”, disse a empresa, em resposta ao tweet do Memorial. “Removemos imediatamente o produto e banimos a loja que tentou vende-lo, e estamos monitorando e removendo agressivamente itens como esse, que violam nossas políticas. Obrigado, @AuschwitzMuseum, por chamar nossa atenção”, disse o post. Vale reiterar que a plataforma propriamente não produz o que vende  – mas evidentemente precisa de um sistema de controle mais apurado sobre o que é oferecido por terceiros.

O invasor preso, vestindo camiseta semelhante; a frase “trabalho traz liberdade”, impressa na parte de baixo da camisa, pode ser lida no portão de Auschwitz

– ‘O que é lutar como uma garota?’: Peita lança série de mini docs para responder à pergunta

Localizado na Polônia e funcionando durante a ocupação alemã no país, o complexo de Auschwitz formava o maior campo de concentração nazista durante a segunda guerra mundial, onde mais de 1,1 milhão de pessoas foram exterminadas entre 1940 e 1945 – destes, 960 mil eram judeus. Durante a invasão do último dia 6 de janeiro realizada por apoiadores do presidente Donald Trump – que incentivou a invasão – ao Capitólio dos EUA, a fim de impedir a certificação da vitória de Joe Biden nas últimas eleições presidenciais, um dos terroristas vestia uma camiseta com a mesma estampa que esta retirada do Etsy. Depois de identificado, Robert Keith Packer, de 56 anos, foi preso recentemente.

Publicidade

© fotos: reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.