Debate

‘Globo de Ouro’ esnobou ‘I May Destroy You’ e autora de ‘Emily in Paris’, indicada ao prêmio, também não entendeu

por: Redação Hypeness

Considerada uma das melhores séries de 2020, a produção britânica ” I May Destroy You “, da atriz e diretora Michaela Coel , foi esnobada pelo Globo de Ouro 2021 . A premiação norte-americana prestigia os melhores títulos e profissionais do cinema e da TV dentro e fora dos Estados Unidos todo ano, mas quando um alerta após a indicação da série ” Emily in Paris “, da Netflix, que denominadas duas chamadas bastante questionadas ao prêmio – inclusive por Deborah Copaken , uma das roteiristas.

Em matéria escrita por Deborah ao ” Guardian “, a também jornalista conta ter se surpreendido com a indicação de “Emily in Paris” à melhor série de comédia e à melhor atriz em série de comédia, enquanto o drama “I May Destroy You” foi esquecido pela honraria.

“‘Esse programa’ [‘Posso te destruir’], eu disse a todos que quiseram ouvir, ‘merece ganhar todos os prêmios'” , escreveu um roteirista. “Quando isso não aconteceu, fiquei chocada.”

“‘I May Destroy You’ não foi apenas meu programa favorito de 2020. É meu programa favorito de todos os tempos” , continua ela.

“Ele pega a complicada questão de um estupro – eu mesma sou uma sobrevivente de agressão sexual – ea apresenta com coração, humor, emoção e com uma história construída tão bem que eu tivo que assistir duas vezes, apenas para entender como Coel fez isso” , Deborah completa.

Lançada pela HBO em junho de 2020, “ I May Destroy You ” é protagonizada pela criadora da série Michaela Coel e narra, durante 12 episódios, a jornada de uma mulher que descobre, assimila e procura maneiras de se curar de um abuso sexual.

Muito elogiada pela crítica especializada, uma produção inglesa ficou de fora dos indicados ao Globo de Ouro junto com outros nomes e títulos que também se destacaram em 2020. Esse foi o caso da ganhadora de Oscar Zendaya e da série original mais vista da história da Netflix , “Bridgerton” .

Imagens de divulgação das séries 'Emily em Paris' e 'I May Destroy You'

Lily Collins, protagonista de ‘Emily em Paris’ (à esquerda); Michaela Coel, protagonista de ‘I May Destroy You’ (à direita)

No caminho oposto aos elogios numerosos à série de Michaela, “ Emily in Paris ” foi massivamente criticada nas redes sociais por trabalhar personagens muito estereotipados (franceses, publicitários, etc) e temas descolados da realidade político-social da maior parte do planeta .

“‘Emily in Paris” foi ao ar alguns meses depois de eu passar junho e julho marchando por justiça racial pelas ruas de Nova York com meus filhos”, escreveu Deborah sobre o assunto.

“Eu definitivamente pude ver como um programa sobre uma americana branca vendendo luxo branco em uma Paris pré-pandêmica livre de suas vibrantes comunidades africanas e muçulmanas pode irritar”, completou.

Estou animada que ‘Emily in Paris’ foi indicada? Sim. Claro. […] Mas essa empolgação agora infelizmente é temperada por minha raiva sobre o desprezo de Coel. ‘I May Destroy You’ não receber um aceno do Globo de Ouro não é apenas errado, é o que há de errado com tudo.

Deborah Copaken também apontou para a falta de diversidade no Grammy, o maior prêmio da música internacional, e para a presença majoritariamente branca e masculina entre showrunners e roteiristas de Hollywood.

“Minha fúria não é apenas sobre raça. Ou mesmo sobre a representação racial na arte. […] Precisamos premiar programas (e músicas e filmes e peças e musicais) que os mereçam, sem nos importar com a cor da pele de seus criadores”, continua a roteirista, que volta a exaltar a qualidade da obra de Coel.

“Como alguém pode assistir à ‘I May Destroy You’ e não chamá-la de uma obra de arte brilhante ou não considerar Michaela Coel genial está além da minha capacidade de entender como essas decisões são tomadas”, finaliza ela.

Publicidade

Fotos de 'I May Destroy You': Divulgação / HBO / Fotos de 'Emily in Paris': Divulgação / Netflix


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Família que escravizou Madalena coloca apartamento à venda para pagar indenização