Ciência

Idosa de 86 anos com reação rara à covid-19 amputa três dedos da mão

por: Redação Hypeness

As sequelas para quem vence a covid-19 ainda estão sendo descobertas e impressionam médicos, mesmo depois de um ano de pandemia. Recentemente, foi o caso de uma paciente de 86 anos que chamou atenção: infectada com o coronavírus em abril do ano passado, ela teve uma rara reação e, recentemente, foi forçada a amputar três dedos depois que a doença os deixou necrosados. 

Também conhecida como necrose, a condição da paciente, uma senhora italiana que não foi identificada, seria uma perda de suprimento de sangue fazendo com que o tecido corporal morra e fique preto. 

– Como a Covid-19 afeta o cabelo dos infectados; pessoas relatam queda massiva

– Coronavírus causa doença mental em 1 a cada 16 pacientes até 3 meses após infecção, diz estudo

Seus dedos – segundo, quarto e quinto dedos da mão direita – não puderam ser salvos e os médicos decidiram amputar para evitar complicações futuras. Em seu relatório, os médicos se referiram a isso como um caso de “dedos covidais” e uma “manifestação vascular severa”.

– Crianças transmitem mais coronavírus do que adultos e isso deveria manter escolas fechadas

A mulher disse aos médicos que havia recebido uma prescrição de terapia antiplaquetária dupla para prevenir a coagulação do sangue, de acordo com o relatório publicado na revista médica “European Journal of Vascular and Endovascular Surgery”. No entanto, outros testes revelaram que a covid-19 havia causado um bloqueio no fluxo de sangue para os seus dedos e ela havia sofrido necrose.

Publicidade

Foto: Divulgação / European Journal of Vascular and Endovascular Surgery


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
DNA mais antigo do mundo é descoberto e aponta para origem de mamutes na Sibéria