Arte

Imagens incríveis dos Beatles filmando o clipe de ‘Strawberry Fields Forever’ em 1967

por: Vitor Paiva

Escrita por John Lennon em 1966 destinada a se tornar uma das mais importantes e profundas canções e gravações do infinito repertório de clássicos dos Beatles, “Strawberry Fields Forever” não só dividiu com “Penny Lane”, de Paul McCartney, um dos melhores compactos da história do rock, como também ganhou um videoclipe promocional – louco e experimental aos moldes da época, procurando acompanhar justamente a força revolucionária e poética da música. Filmado no Parque Knole, em Kent, na Inglaterra, nos dias 30 e 31 de janeiro de 1967, o vídeo promocional de “Strawberry Fields Forever” utilizaria diversos efeitos visuais como um trabalho verdadeiramente precursor dos clipes musicais que se tornariam tão populares algumas décadas depois.

Os Beatles durante as filmagens do vídeo de "Strawberry Fields Forever", filmado em 1967

Os Beatles durante as filmagens do vídeo de “Strawberry Fields Forever”, filmado em 1967

Os Beatles durante as filmagens do vídeo de "Strawberry Fields Forever", filmado em 1967

Dirigido pelo sueco Peter Goldmann, a inspiração para o vídeo veio de um comentário do músico e artista alemão Klaus Voormann, amigo dos Beatles desde o início da banda, que comentou que “Strawberry Fields Forever” parecia uma música “tocada em um instrumento estranho”, referindo-se às sonoridades experimentais da gravação.

Os Beatles durante as filmagens do vídeo de "Strawberry Fields Forever", filmado em 1967

Os Beatles durante as filmagens do vídeo de "Strawberry Fields Forever", filmado em 1967

Os Beatles durante as filmagens do vídeo de "Strawberry Fields Forever", filmado em 1967

Tocado por tal comentário, Goldmann passaria dois dias de produção no parque transformando uma árvore no tal “instrumento estranho”, combinando, segundo o diretor, “um piano e uma harpa com cordas”. As fotos aqui dispostas – reunidas pelo site Vintag.es – mostram cenas e bastidores da filmagem.

Os Beatles durante as filmagens do vídeo de "Strawberry Fields Forever", filmado em 1967

John Lennon durante as filmagens do vídeo de "Strawberry Fields Forever", filmado em 1967

John Lennon em close

O clipe utiliza técnicas e efeitos como stop motion, animação, jump-cuts e outras cenas desconexas, poéticas e experimentais para oferecer a devida ambiência e sentido visual para a impressionante canção de Lennon – uma das mais emblemáticas e transformadoras gravações de todos os tempos. Uma série de imagens abstratas, filmes movidos de trás para frente, closes desconcertantes e coloridos, revelam a banda sem tocar instrumentos ou executar a canção propriamente – mas sim como atores de um filme louco.

Os Beatles e a equipe durante as filmagens do vídeo de "Strawberry Fields Forever", filmado em 1967

Paul McCartney durante as filmagens do vídeo de "Strawberry Fields Forever", filmado em 1967

Paul McCartney limpando a câmera

John, George Harrison e Ringo Starr durante as filmagens do vídeo de "Strawberry Fields Forever", filmado em 1967

John, George Harrison e Ringo Starr nas filmagens

O crítico musical Chris Ingham à época escreveu que o vídeo possuía um “ar apropriadamente surreal que, quando experimentado simultaneamente com a extraordinária nova música dos Beatles, se torna deliciosamente desorientador”.

John e Ringo

John com George ao fundo durante as filmagens do vídeo de "Strawberry Fields Forever", filmado em 1967

John com George ao fundo

John e Ringo durante as filmagens do vídeo de "Strawberry Fields Forever", filmado em 1967

John e Ringo

O vídeo de “Strawberry Fields Forever” – que pode ser visto abaixo – acompanhava o compacto dividido com “Penny Lane”, de McCartney, lançado em fevereiro de 1967, e se tornaria a abertura do incrível arsenal de lançamentos históricos realizados pelos Beatles naquele ano – alguns meses depois, em junho, a banda lançaria o disco Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, que rapidamente seria reconhecido como o mais importante e influente disco da história.

 

Publicidade

© fotos: reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Os incríveis cartazes que ilustram o signo regente do ano segundo o horóscopo chinês