Debate

Irmãs que furaram fila em Manaus contrariam ordem judicial e tomam 2ª dose de vacina

Redação Hypeness - 11/02/2021

As médicas e irmãs Gabrielle e Isabelle Kirk Maddy Lins, que ficaram notórias por furarem a fila da vacinação em Manaus (AM) contrariaram uma ordem judicial e tomaram a segunda dose da CoronaVac. Segundo a decisão do TJ-AM, elas podem ser presas em flagrante. A informação foi apurada e publicada pelo Estado de Minas.

“Vacinada sim!”: filhas de um dos maiores empresários do Amazonas foram nomeadas para trabalhar no SUS na véspera e no dia do início da vacinação contra a covid-19; mesmo após decisão judicial, elas tomaram segunda dose

Entenda o caso

Tanto Gabrielle e Isabelle são médicas formadas e são funcionárias da Prefeitura de Manaus. Entretanto, a situação de suas contratações é dúbia e pode levar questionamentos; Gabrielle ingressou no serviço público um dia antes da vacinação começar. Isabelle foi contratada no dia seguinte. Ambas são filhas de Nilton Lins, um empresário do ramo da educação, dono da maior universidade privada do Amazonas. As irmãs trabalham na UBS Nilton Lins, nomeada em homenagem ao pai delas.

– Trabalhador que não se vacinar contra a covid-19 pode ser demitido por justa causa, diz MP 

As filhas de Nilton Lins foram contratadas para trabalhar em UBS com o nome do pai; depois de críticas, acusaram pessoas de ‘inveja’. MP investiga ambas por furar fila da imunização

Tecnicamente, elas são profissionais de saúde que passaram a atuar na linha de frente, mas a relação de privilégio causou suspeitas na população. “Não posso responder pela ordem que foi dada as vacinas (eu sou profissional da saúde e tive meu direito), agora, a ordem que foi dada entre os profissionais, eu não posso responder por isso. Então, falem qualquer coisa, menos que eu furei a fila por ser ‘herdeira’ e não tirem meu mérito”, se defendeu Isabelle nas redes sociais.

Leia também: Demora, corrupção e privilégios ameaçam a imunização brasileira

A magistrada Jaiza Fraxe, da 1ª Vara da Justiça Federal no Amazonas, entendeu o caso de maneira diferente. Através de um despacho, impediu que as irmãs – e os outros fura-filas de Manaus – tomassem a segunda dose do imunizante e ainda reforçou que o descumprimento da ordem causaria prisão em flagrante.

Segundo a juíza, “em razão da falta de explicação para os casos de pessoas que tomaram indevidamente a vacina, ficam todos proibidos de tomar a segunda dose, podendo ficar sujeitos à prisão em flagrante delito em caso de insistirem no ilícito”.

– Promotores de SP querem ‘furar fila’ de prioridade na vacinação contra a covid-19 

Uma consulta dos jornalistas do Estado de Minas ao site Imuniza Manaus, uma base de dados unificada sobre a situação da pandemia na capital amazonense, mostrou que as irmãs estão com sua imunização completa, isto é, elas receberam a segunda dose da CoronaVac.

A decisão de Fraxe ainda inclui mais quatro nomes: dois secretários da prefeitura e um casal de empresários. Nenhum deles tomou a segunda dose de acordo com a base do Imuniza Manaus. A Secretaria Municipal de Saúde da capital não se pronunciou sobre o caso até o momento.

Publicidade

Fotos: Reprodução/Jnstagram


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.