Ciência

Menor réptil da Terra mal foi descoberto e já corre risco de extinção

Kauê Vieira - 09/02/2021 | Atualizada em - 11/02/2021

Com corpo medindo somente 13,5 mm e o comprimento total, da cabeça à cauda, ​​de 22 mm no caso dos machos e 29 mm no caso das respostas, o Brookesia nana , descoberto recentemente na ilha de Madagascar, na África, e popularmente batizados como Nanocamaleão podem ser, segundo cientistas, o menor réptil do planeta. Encontrados por uma equipe reunindo cientistas locais e pesquisadores alemães, foi a partir da Coleção de Zoologia do Estado da Baviera, na Alemanha, que se determinou que o Nanocamaleão seria a menor das 11,5 mil espécies de répteis comer – e, segundo os pesquisadores , pode já estar sob severa ameaça de extinção .

Brookesia nana, também conhecido como Nanocamaleão, o menor réptil do mundo

Segundo o jornal Scientific Reports onde a pesquisa sobre o Brookesia nana foi publicada, a espécie se encontra somente em uma floresta tropical nas montanhas ao norte de Madagascar – em um cenário já degradado. “O habitat do nanocamaleão infelizmente foi desmatado, mas a área foi colocada sob proteção recentemente, para que a espécie sobreviva”, afirmou Oliver Hawlitschek, cientista ligado ao Centro de História Natural de Hamburgo. A equipe que descobriu o animal foi liderada pelo herpetologista alemão Frank Glaw – também responsável por encontrar o Brookesia micra , também em Madagascar e que, até a recente descoberta, era o menor réptil conhecido.

Brookesia nana, também conhecido como Nanocamaleão, o menor réptil do mundo

Junto da descoberta, portanto, a espécie já foi recomendada a constar na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), como animal criticamente ameaçado do extinção. Segundo os pesquisadores, nenhum outro espécime além dos dois recentemente descoberto foi ainda encontrado, apesar do imenso esforço da equipe – o que sugere ainda mais a gravidade da ameaça à extinção que paira sobre o Nanocamaleão. Diferentemente de outros tipos de camaleão, a espécie descoberta não muda de cor e vive no solo, e não em árvores.

Brookesia nana, também conhecido como Nanocamaleão, o menor réptil do mundo

A floresta onde os animais foram descobertos são, no entanto, bem conectadas com outras florestas em todo o norte da ilha, e há um extenso trabalho pela frente a fim de melhor definir, mensurar e compreender a nova (e menor) espécie de réptil. De acordo com a pesquisa, o Brookesia nana se alimenta de ácaros no chão, e se esconde de possíveis predadores sob folhas de grama – que, para Mark Scherz, pesquisador estudado na descoberta, se trata de “um caso espetacular de miniaturização extrema”, afirmou.

Brookesia nana, também conhecido como Nanocamaleão, o menor réptil do mundo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicidade

© fotos: F. Glaw / divulgação


Kauê Vieira
Nascido na periferia da zona sul de São Paulo, Kauê Vieira é jornalista desde que se conhece por gente. Apaixonado pela profissão, acumula 10 anos de carreira, com destaque para passagens pela área de cultura. Foi coordenador de comunicação do Projeto Afreaka, idealizou duas edições de um festival promovendo encontros entre Brasil e África contemporânea, além de ter participado da produção de um livro paradidático sobre o ensino de África nas Escolas. Acumula ainda duas passagens pelo Portal Terra. Por fim, ao lado de suas funções no Hypeness, ministra um curso sobre mídia e representatividade e outras coisinhas mais.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.