Gastronomia

Michelin dá estrela para primeiro restaurante vegano da história

por: Gabriela Rassy

Aqui, na França e em boa parte do mundo, a busca pela alimentação vegana está cada vez mais ganhado espaço. E agora uma cobiçada estrela do Guia Michelin abre caminhos para que restaurantes embarquem nesta onda.

A maioria dos vegetarianos e veganos franceses diria que não é fácil evitar carne na França, embora a situação esteja mudando um pouco.

Claire Vallée, chef e proprietária do ONA, restaurante vegano premiado pelo Guia Michelin na França

Claire Vallée, chef e proprietária do ONA, restaurante vegano premiado pelo Guia Michelin na França

Cada vez mais, opções vegetarianas podem ser encontradas em todo o país e, desde 2018, as escolas foram legalmente obrigadas a oferecer opções vegetarianas ou veganas um dia por semana.

Isso parece ser confirmado pelo fato do conceituado Guia Michelin ter concedido uma de suas estrelas a um restaurante perto de Bordéus que serve apenas pratos sem ingredientes de origem animal.

O lugar agora estrelado chama-se ONA, que significa Origine Non Animale (origem não animal, em tradução livre).

Sua proprietária e chef, Claire Vallée, ficou um tanto chocada quando recebeu o telefonema da Michelin na noite de quinta-feira. O ONA passa a levar, além do prêmio, a marca de ser o primeiro restaurante vegano na França a ganhar uma estrela.

Vegano e premiado sim!

O ONA está localizado em Ares, perto da bacia de Arcachon, um resort à beira-mar no sudoeste da França. O lugar é conhecido por sua paisagem selvagem, cultivo de ostras e por abrigar a maior duna de areia da Europa, a Duna du Pilat.

“Foi um dos melhores momentos da minha vida”, disse Vallée disse à France 3 falando sobre como ela está extremamente orgulhosa de sua equipe.

O ONA recebeu ainda uma estrela verde, que a Michelin começou a premiar no ano passado pela excelência em práticas éticas.

Vallée iniciou o negócio em 2016 com um empréstimo de um banco verde, Le Nef, e uma campanha de crowdfunding bem-sucedida, acumulando 10 mil euros.

Os pratos de seu menu gourmet de sete etapas incluem combinações de ingredientes como pinheiro, cogumelo boletus e saquê, ou aipo, tonka e amber ale. O local está fechado devido à pandemia da Covid-19.

Premiação Michelin em meio à pandemia

A Michelin foi criticada por apresentar seus prêmios anuais durante a pandemia Covid-19, quando a maioria dos restaurantes está fechada.

Gwendal Poullennec, chefe do Guia Michelin, defendeu a decisão de continuar em 2021, como forma de apoiar a indústria – crucialmente, ninguém perdeu estrelas neste período tumultuado.

O guia Michelin publicou sua edição francesa anual na última semana de janeiro. Outros guias de gastronomia decidiram cancelar os prêmios deste ano.

Publicidade


Gabriela Rassy
Jornalista enraizada na cultura, caçadora de arte e badalação nas capitais ensolaradas desse Brasil, entusiasta da cena musical noturna e fervida por natureza.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
A delicada e inovadora sobremesa sul-coreana que se parece com macarrão ultra fino (mas não é)