Ciência

Oceano Atlântico cresce e Pacífico encolhe; ciência tem nova resposta para fenômeno

Vitor Paiva - 24/02/2021 | Atualizada em - 05/03/2021

Durante a era paleozoica, entre 200 a 540 milhões de anos atrás, o planeta Terra possuía somente um único e imenso continente – a Pangeia, rodeada por um único oceano, intitulado Pantalassa. Depois de uma série de terremotos e atividades vulcânicas, esse continente começou a se quebrar, se separar e se mover, formando hoje os territórios que conhecemos – nos quais vivemos. Acontece que as 12 principais placas tectônicas da Terra seguem se movendo, e seria por isso, por exemplo, que a distância entre o Brasil e a África aumenta, segundo estimativas, cerca de 2 centímetros por ano. E também se cria que esse era o motivo pelo qual a cada ano o Oceano Atlântico aumenta enquanto o Pacífico diminui, mas um novo estudo abriu novas possibilidades de compreensão desse imenso e ancestral movimento em nosso planeta.

A Dorsal Mesoatlântica

A Dorsal Mesoatlântica © Wikimedia Commons

‘Tubarões surfistas’ e ‘baleia bailarina’: as melhores fotos oceânicas de 2020

Dados obtidos por 39 sismógrafos posicionados no fundo do oceano apontam para um outro importante personagem nesse processo de “separação” entre as Américas, a Europa e a África: a Dorsal Mesoatlântica – uma imensa cordilheira localizada justamente em meio ao atlântico, no ponto equidistante que separa os continentes. Trata-se de uma cadeia de montanhas que se estende da Islândia até o sul da África por 16 mil quilômetros com mais de 1.500 quilômetros de largura em alguns pontos que, quando surge acima da superfície, formam ilhas como os Açores e Tristão da Cunha. O que o estudo revela, no entanto, é que em alguns pontos dessa cordilheira subaquática há pontos onde o material do interior da Terra aparece – e que atua como uma cunha ou um instrumento para calçar e separar essas rochas e, assim, ajudando a precipitar o movimento dos continentes.

Traços da Dorsal Mesoatlântica em solo islandês © Getty Images

Nova Zelândia: primeira-ministra é surpreendida por terremoto no meio de entrevista

O fenômeno se daria em rochas de mais de 600 quilômetros de profundidade, em ponto localizado entre o núcleo terrestre e a crosta, e a descoberta reverte a antiga teoria de que a Dorsal Mesoatlântica não teria participação relevante no movimento. Os sismógrafos detectaram ao longo de um ano alguns movimentos no manto terrestre, que confirmaram o surgimento do material do interior da Terra. “Esses resultados lançam uma nova luz sobre nossa compreensão de como o interior da Terra está conectado às placas tectônicas”, afirmou Matthew Agius, principal autor do estudo e sismólogo da Università degli studi Roma Tre, na Itália.

O movimento iniciado na Pangeia com a separação dos continentes © Wikimedia Commons

Canal do Panamá está ameaçado – e não é culpa do coronavírus

Até então não havia uma explicação conclusiva sobre a continuidade da separação, normalmente apontada como fenômeno somente gravitacional. A descoberta pode impactar também estudos sobre diversos processos químicos e ainda trocas de calor no planeta. Ainda que apontem a importância da descoberta, especialistas sugerem que a novidade seja vista ainda com cautela, por se tratar de uma observação em porção pontual da Dorsal, sem deixar claro se o fenômeno ocorre ao longo da cordilheira.

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Você sabia que humanos não identificavam a cor azul?