Estilo

Rebeca, modelo descoberta em fila de cesta básica, mostra que pessoas precisam de oportunidade

Redação Hypeness - 25/02/2021

Rebeca Farias estava buscando uma cesta básica para sua família em um projeto social numa quebrada de Salvador quando chamou atenção de um caça-talentos de modelos. No alto de seus 1,88, a rainha em potencial de apenas 15 anos de idade foi apadrinhada por Regina Casé e Taís Araújo. Agora, ela deseja sonhos mais altos e até modelar no exterior.

– Garotinhas se vestem de Lupita e Chimamanda e derretem corações

Modelo de 15 anos foi descoberta em fila de projeto social

Ajudinha de Regina Casé, Taís Araújo e Ivete Sangalo 

Rebeca sempre teve vontade de ser modelo, mas não havia encontrado oportunidades. Moradora da comunidade do Pé Preto, em Salvador, ela não imaginava que o sonho bateria a sua porta. A adolescente mora na quebrada com sua mãe e seu irmão recém-nascido e foi ao projeto ‘Quabales’ buscar uma cesta básica.

– Moda de rua: estilo é forma de expressão nas periferias dos quatro cantos do mundo 

“Há três meses, eu fui buscar a cesta básica para gente no projeto Quabales. Ali, na fila de espera, o Marivaldo dos Santos, responsável pelo projeto, ficava conversando com todo mundo. Ele me perguntou minha idade e qual era meu sonho de vida. Eu disse que tinha 15 anos e falei na hora que queria ser modelo”, contou ao Universa.

Para começar na vida das agências, entretanto, era necessário um book e curso de modelo. Ela não tinha os R$ 1200 necessários para investir e pediu uma ajudinha através de um vídeo, que viralizou entre figuras como Regina Casé, Taís Araújo e Ivete Sangalo. Então, as imagens chegaram em grandes nomes da moda. Ela trabalhou com Fernando Torquato, com a Fashion Forward e agora faz parte do cast da Way Models.

De Salvador para o mundo, Rebeca exibe beleza e poder aos 15 anos de idade

Entretanto, nem tudo são flores na vida de Rebeca. Por trás da imagem estonteante que figura nos retratos, há também uma mulher que passou por dificuldades financeiras e que sofreu na pele a chaga do racismo. Apesar da pouca idade, ela se manifesta sobre a questão no Brasil e sabe que foi vítima dessa violência.

Leia também: Porteiro que achou revista de moda no lixo e abriu agência estrela doc sobre estilo na perifa 

“Mas antes de chegar aqui, eu já sofri muito bullying. Foi uma fase bem dura, porque eu tenho 1,88 m e as pessoas falavam que eu era muito alta, muito seca. Também comentavam da minha cor e me chamavam de tudo que é nome. Isso atingiu bastante meu psicológico, mas não deixei me abalar tanto. Se eu deixasse, poderia estar hoje com depressão. Se duvidar, até hoje eu sofro bullying. E isso afeta quem não tem uma mente boa. Também fico triste com os episódios de racismo com pessoas negras”, relatou ao UOL.

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram/FFW


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.