Futuro

‘Respira Xingu’ alerta para pico de infecções e mortes por Covid-19 no coração da Amazônia

por: Vitor Paiva

Maior e mais importante reserva indígena do planeta, o Parque do Xingu pede socorro. Como se não bastassem a construção da Usina de Belo Monte, como constantes invasões, queimadas, perseguições e assassinatos contra as mais de 5.500 pessoas de 14 diferentes etnias originárias do país que vivem pelos 2.642.003 hectares do parque, a atual pandemia do novo coronavírus vem alcançando números calamitosos na região – no município de Altamira, no Pará, ponto de referência para o atendimento da população e contando com apenas 2 hospitais, o total de casos já passado de 7 mil, com 145 mortes confirmadas. Foi para mobilizar uma sociedade, portanto, para o quadro grave e a situação da reserva e sua população anterior da Covid-19 que o manifesto Respira Xingu foi publicado.

Tribo no Parque do Xingú

Tribo no Parque do Xingú © Wikimedia Commons

Segundo o texto, dois dos hospitais disponíveis em Altamira – recebendo, além do Xingu e região, também os casos divulgados entre a população de 11 terras Indígenas e 7 Unidades de Conservação – somente um é capaz de tratar dos casos mais graves da doença. “Para piorar, nota-se um número cada vez maior de eventos nas ruas, comércios abertos e uma incapacidade do poder público de conter como aglomerações”, denuncia o texto, lembrando que “o isolamento social efetivo continua sendo uma única maneira de evitar a propagação da doença ”. Uma campanha oferece material de divulgação e uma cartilha ensinando os procedimentos de segurança.

Além do manifesto convocatório para reunir doações e vozes a fim de pressionar o poder público para proteger o Xingu e a região, um perfil no Instagram foi criado, publicando denúncias, dados e boletins diários sobre a situação local. A vacina já chegou no Xingu, e parte da população e profissionais de saúde já recebeu a primeira dose, mas o texto lembra que “só haverá imunização, porém, quando toda a população para vacinada. Não há previsão de que isso aconteça rapidamente ”. A proposta é de atuação em cinco frentes: educação (pelos protocolos de segurança), responsabilização (para pressionar a prefeitura de Altamira para combater aglomerações), Informação, arrecadação (por insumos nos hospitais) e memória (pela história e a lembrança das mortes da pandemia )

Vacinação da população no Xingu

Vacinação da população no Xingu © divulgação

“É urgente mobilizar a sociedade e pressionar o poder público a cumprir sua obrigação constitucional de garantir acesso à saúde ea cumprir imediatamente os protocolos de pandemia determinados pela Organização Mundial da Saúde. Do contrário, será responsável e responsabilizado por mortes que seriam evitáveis ​​”, diz o texto, que pode ser lido na íntegra no site da Respira Xingu . Diversas instituições e associações ligadas à causa e à região assinam o manifesto no site – que oferece maiores informações e convida a sociedade civil como um todo a participar do movimento pela preservação do Xingu contra uma pandemia.

Parte do Xingu © Getty Images

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
ESG: o que é e por que é tão importante para o futuro?