Reverb

Tony Bennett está com Alzheimer e encontra na música oásis contra doença

Redação Hypeness - 03/02/2021 | Atualizada em - 20/04/2021

O cantor americano Tony Bennett, hoje com 94 anos, foi diagnosticado com Alzheimer. O diagnóstico foi confirmado por sua esposa, Susan, à revista AARP The Magazine esta semana.

“A vida é uma dádiva – mesmo com Alzheimer”, tuitou o cantor na manhã do dia 1º de fevereiro. “Obrigado a Susan e minha família pelo apoio.”

Tony e Susan Bennet

Susan Bennett e o filho mais velho de Tony Bennett, Danny, disseram à revista que Bennett foi diagnosticado com Alzheimer – uma doença degenerativa do cérebro que causa perda de memória, entre outras condições – em 2016.

O começo do esquecimento

De acordo com a publicação, Bennett começou a apresentar sintomas em 2015. “Mesmo seus momentos cada vez mais raros de clareza e consciência revelam a profundidade de sua debilidade”, afirma o artigo.

Mas dizia que ele não havia experimentado a desorientação que leva alguns pacientes a se afastarem, ou a apresentarem episódios de pânico, raiva ou depressão.

Tony Bennet no palco

Antes da pandemia de coronavírus, Bennett continuou a se apresentar extensivamente. Mas nos bastidores, disseram parentes à revista, ele poderia parecer “perplexo sobre seu paradeiro”.

“Mas no momento em que ele ouvia a voz do locutor ‘Senhoras e senhores – Tony Bennett!’, Ele se transformava em modo de atuação, avançava para os holofotes, sorrindo e reconhecendo os aplausos do público”, dizia o artigo.

Sua esposa, Susan, assistia nervosa, temendo que ele esquecesse uma letra. “Eu estava uma pilha de nervos”, disse ela à revista. “Mesmo assim, ele sempre cumpriu seu papel!”.

Os primeiros sinais surgiram em 2015, contou Susan à revista, quando ele começou a esquecer os nomes dos músicos no palco e a guardar uma lista no piano. Mas ele sabia que algo estava errado e queria ver um médico, até que um ano mais tarde recebeu o diagnóstico de Alzheimer.

Tony Bennet ao piano por Kelsey Bennett

Susan Bennett disse que o cantor ainda reconhece membros da família, mas a revista relatou que “objetos comuns tão familiares como um garfo ou um molho de chaves de casa podem ser totalmente misteriosos para ele”.

Com vocês, Tony Bennet!

Bennett, que tem uma carreira de sete décadas, marcou seu primeiro grande sucesso em 1951, “Because of You”. A faixa ficou no topo das paradas por nada menos do que dez semanas.

Em 1962, ele gravou “I Left My Heart in San Francisco”, que se tornou sua canção mais característica. Muito depois de outros cantores terem morrido ou saído de cena, Bennett teve retomou sua popularidade quando ganhou um Grammy por seu álbum de 1994, “Tony Bennett: MTV Unplugged”.

Desde então, ele gravou duetos com uma série de notáveis, incluindo James Taylor, Sting, Amy Winehouse e Lady Gaga.

Em 2014, o álbum “Tony Bennett & Lady Gaga: Cheek to Cheek” estreou em primeiro lugar no Top 200 da parada de pop e rock da Billboard. De acordo com o artigo da AARP, um álbum seguinte com Lady Gaga, que foi gravado entre 2018 e início de 2020, será lançado nesta primavera.

Tony Bennet e Lady Gaga

Lady Gaga estava ciente da condição de Bennett quando eles estavam gravando sua colaboração mais recente, disse o artigo. No documentário das sessões, Bennett raramente fala e dá respostas de uma palavra só, como “Obrigado” ou “Sim”.

Mas seu apetite por todas as coisas musicais continua forte. De acordo com a revista, ele continua a ensaiar um set de 90 minutos duas vezes por semana com seu pianista parceiro de longa data, Lee Musiker – e faz isso sem qualquer hesitação que pode caracterizar sua fala.

O velho Tony

Susan Bennett está servindo como cuidadora de seu marido.

“Eu tenho meus momentos e fica muito difícil”, disse ela à revista. “Não é divertido discutir com alguém que não te entende.” Mas ela acrescentou que eles se sentiam mais afortunados do que muitas outras pessoas que vivem com o mal de Alzheimer.

Tony e Susan Bennet

A última apresentação pública de Bennett foi em março no Count Basie Center for the Arts em Red Bank, N.J. Antes de o coronavírus encerrar as apresentações ao vivo, ele estava em turnê com frequência, cantando um set de 90 minutos sem dar pistas para o público ou os críticos de que algo estava errado.

“Ele não é mais o velho Tony”, disse Susan Bennett à revista. “Mas quando ele canta, ele é o velho Tony.”

Alzheimer, a doença do século XIX

Mais de cinco milhões de americanos vivem com Alzheimer, de acordo com a Associação de Alzheimer, incluindo uma em cada 10 pessoas com 65 anos ou mais.

Já o Instituto Alzheimer Brasil (IAB) mostra que são 45 milhões de pessoas vivendo com demências no mundo, sendo que a perspectiva é que esse número dobre a cada 20 anos.

Demências são doenças cerebrais que causam a diminuição progressiva da capacidade cognitiva, alterações de comportamento e perda da funcionalidade. A doença de Alzheimer é o tipo mais frequente de demência.

Só no Brasil, onde hoje há mais de 29 milhões de pessoas acima dos 60 anos, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acredita-se que quase 2 milhões de pessoas têm demências, sendo que cerca de 40 a 60% delas são do tipo Alzheimer.

Esses dados porém ainda são subestimados e difíceis de serem exatos, devido muitas pessoas não receberem diagnóstico correto, ou mesmo não chegarem ao médico para um diagnóstico.

Os sintomas podem incluir inicialmente perguntas repetidas, perder-se em um lugar familiar ou colocar coisas no lugar errado e, eventualmente, podem progredir para alucinações, acessos de raiva e a incapacidade de reconhecer a família e amigos ou de se comunicar. Alzheimer não tem cura.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Especiais